20:42 22 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Ex-militantes afegãos do movimento Talibã antes de depor as armas (foto de arquivo)

    Presidente afegão critica anúncio de nova ofensiva pelo Talibã

    © AFP 2019 / Noorullah Shirzada
    Oriente Médio e África
    URL curta
    522
    Nos siga no

    O palácio presidencial afegão criticou o anúncio do Talibã de uma nova ofensiva da primavera, chamando o grupo de "ilegítimo". Autoridades instaram o movimento a participar de ngociações de paz.

    "O governo afegão está pronto para defender todos os cantos do país, mas mais uma vez convoca os líderes do Talibã a parar a guerra ilegítima e imposta e concordar com o convite incondicional do governo e do povo para as negociações de paz", disse em comunicado citado pela emissora Tolo News.

    O Representante Especial dos EUA para a Reconciliação no Afeganistão, Zalmay Khalilzad, também condenou o anúncio do Talibã na sexta-feira, chamando-o de "imprudente".

    O anúncio do Talibã dizia que o grupo iria empreender uma ofensiva na primavera, apesar de estar atualmente negociando um tratado de paz com os EUA. O objetivo da chamada Operação Fath — "vitória" em árabe — é "limpar o Afeganistão da invasão e da corrupção", informou o movimento.

    O Talibã surgiu em 1994 no auge de uma guerra civil no Afeganistão. O grupo detinha o poder na maior parte do país entre 1996 e 2001. Durante este período, introduziu a lei islâmica da Sharia, uma interpretação mais radical do Corão.

    O grupo foi expulso do poder por uma coalizão liderada pelos EUA em 2001 e desde então vem travando uma guerra contra o governo de Cabul e as forças da OTAN no país e no vizinho, Paquistão.

    Segundo o enviado da Rússia ao Afeganistão, os militantes controlam pelo menos 50% do território do Afeganistão e suas fileiras incluem de 3.500 a 10.000 combatentes do Daesh, que realizam regularmente ataques terroristas em todo o país.

    Tags:
    Operação Fath, Tolo News, OTAN, Daesh, Talibã, Zalmay Khalilzad, Rússia, Cabul, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar