21:08 12 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Crianças no campo de Al-Hol, na Síria

    Militar russo:235 crianças morreram no 'insuportável' campo controlado por aliados dos EUA

    © AP Photo / Maya Alleruzzo
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4111
    Nos siga no

    Cerca de 20 pessoas morrem diariamente em uma barraca montada por forças norte-americanas no norte da Síria, devido a uma aguda escassez de remédios e alimentos, além da incapacidade de escapar das condições miseráveis, informaram militares russos.

    O número de mortos tem aumentado vertiginosamente no acampamento improvisado de Al-Hol desde dezembro, quando viu um influxo massivo de recém-chegados fugindo do antigo reduto do Daesh de Al-Baghuz Fawqani, quando as Forças Democráticas Sírias (SDF) apoiadas pelos EUA montou uma ofensiva em larga escala na área.

    O acampamento, que inicialmente deveria abrigar não mais do que 20 mil moradores, agora abriga mais de 74 mil pessoas, com sua capacidade há muito tempo sobrecarregada.

    O chefe do Centro de Reconciliação Russa na Síria, major-general Viktor Kupchishin, declarou na quarta-feira que a situação no campo está à beira de um desastre humanitário catastrófico. Citando uma mulher, que teve a sorte de escapar do acampamento, ele disse que "entre 10 e 20 pessoas morrem a cada dia, incluindo crianças".

    "Na semana passada, devido à falta de medicamentos, alimentos e condições de vida insuportáveis, sete crianças morreram no campo", afirmou Kupchishin. Apenas o número de mortos entre as crianças subiu para 235, prosseguiu. O funcionário pediu que organizações internacionais intervenham para melhorar as condições no campo superlotado, que se tornou um dos maiores do leste do Eufrates.

    Kupchishin apontou que Damasco tem oferecido esquemas de reassentamento junto com garantias de segurança para aqueles deslocados internamente pelos anos de derramamento de sangue. O governo sírio instalou abrigos temporários para evacuados e ofereceu-se para agilizar o processo de emissão de novos documentos de identificação.

    No entanto, até agora o governo sírio tem visto pouca ou nenhuma cooperação das forças de coalizão lideradas pelos EUA que controlam o infame acampamento Rukban perto da base de Al-Tanf, bem como o território onde o acampamento Al-Hol está localizado.

    Idlib, Síria (arquivo)
    © REUTERS / Ammar Abdullah

    Os ônibus que deveriam transportar os refugiados de Rukban foram forçados a se afastar depois de não terem acesso aos EUA no mês passado, e as tentativas dos militares russos de discutir a situação dos refugiados presos em Rukban até agora não produziram resultados.

    O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) também alertou sobre a rápida deterioração da situação no campo de Al-Hol. Ao visitar o campo no mês passado, o presidente do CICV, Peter Maurer, disse estar "chocado" com as histórias "de crianças e mulheres morrendo em grande número por causa de todas as dificuldades".

    A agora mundialmente famosa noiva britânica do Daesh, Shamima Begum, era residente do Al-Hol até recentemente. Lá, ela deu à luz seu filho em meados de fevereiro. A criança, no entanto, adoeceu pouco depois de nascer e morrer em um hospital sírio depois que Begum foi transferida do campo.

    Mais:

    Erdogan anuncia prontidão da Turquia para nova operação militar na Síria
    Moscou afirma que Washington deve pôr fim à ocupação ilegal da Síria na zona de Rukban
    'O que está acontecendo na Venezuela é semelhante à situação na Síria', diz Assad
    Tags:
    direitos humanos, ajuda humanitária, terrorismo, guerra síria, conflito sírio, Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Daesh, Forças Democráticas Sírias (SDF), Shamima Begum, Peter Maurer, Viktor Kupchishin, Rukban, Al-Baghuz Fawqani, Rússia, Estados Unidos, Síria, Al-Hol
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar