17:57 22 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    O presidente da África do Sul, Ciryl Ramaphosa, durante reunião dos BRICS em 2018.

    Presidente da África do Sul sugere como evitar emigração branca: 'Amarre-os a uma árvore'

    © Sputnik / Alexei Nikolskiy
    Oriente Médio e África
    URL curta
    821

    Em um apelo para impedir que jovens brancos continuassem seu êxodo do país, o presidente sul-africano Cyril Ramaphosa apresentou uma solução bastante curiosa para evitar a emigração: amarrando-os a árvores e implorando que não deixem a África do Sul.

    Falando em uma reunião de produtores de vinho em Stellenbosch, no Cabo Ocidental, na terça-feira, o presidente sul-africano afirmou que não queria ver jovens agricultores brancos e as habilidades que eles possuem deixando o país, brincando de propor sua própria solução para a atual crise de emigração.

    "Se eu pudesse, eu os amarraria em uma árvore e diria: ‘não vá embora, eu quero você aqui neste país’", disse Ramaphosa ao grupo de agricultores, principalmente brancos. O líder também se propôs a garantir aos viticultores seus medos em torno da reforma agrária na África do Sul, prometendo que, se reeleito, isso seria feito de acordo com a lei.

    "O processo de reforma agrária é algo que nunca devemos temer. Isso será feito de acordo com o estado de direito e nossa Constituição", acrescentou o líder sul-africano.

    As preocupações que ele tentou aliviar vêm de uma proposta do Congresso Nacional Africano (ANC), que foi apoiado por Ramaphosa. A reforma agrária da África do Sul visa expropriar terras agrícolas de propriedade privada e redistribuí-las aos membros da maioria negra sem-terra do país.

    No entanto, o plano é controverso, uma vez que pretende aproveitar a terra sem qualquer compensação para os agricultores brancos e proprietários de terras que ainda formam uma parte importante da sua indústria agrícola.

    Desde que o plano foi anunciado, tem havido relatos na mídia internacional de que fazendeiros brancos estão sob pressão crescente para abrir mão de suas terras, com alguns sendo até agredidos fisicamente ou até mesmo mortos.

    A ansiedade sobre as apreensões de terra agravou um problema já crescente de emigração branca da África do Sul desde o final da era do apartheid. Na terça-feira, a mídia local informou que desde que o ANC chegou ao poder em 1994, cerca de 400 mil sul-africanos habilidosos, brancos e negros, partiram para melhores perspectivas no exterior.

    A reportagem constatou que fatores impulsionadores da imigração branca incluíam o medo de mudanças e a falta de oportunidades profissionais, citando evidências de que as políticas do empoderamento econômico negro haviam enviado uma mensagem negativa a universitários brancos e possíveis empregadores.

    Mais:

    FMI anuncia apoio ao plano sul-africano de confiscar terras de fazendeiros brancos
    África do Sul convoca representante da diplomacia dos EUA para explicar tweet de Trump
    Será que África do Sul está vivendo era de apartheid ao contrário?
    Tags:
    agricultura, brancos, fazendeiros, direitos humanos, apartheid, reforma agrária, Congresso Nacional Africano (ANC), Cyril Ramaphosa, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar