15:50 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, ao lado do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu após a assinatura do documento que reconhece a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã

    Decisão dos EUA para agradar Israel em Golã é estrada para guerra, diz parlamentar russo

    © AP Photo / Manuel Balce Ceneta
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11102
    Nos siga no

    A decisão dos EUA de reconhecer as Colinas de Golã como território de Israel foi tomada ignorando o Conselho de Segurança da ONU e ignorando o diálogo da ONU sobre o assunto, disse Vyacheslav Volodin, presidente da Câmara Baixa da Rússia.

    "Todos os membros da comunidade internacional devem expressar sua posição sobre o assunto", afirmou ele durante a reunião com o presidente libanês Michel Aoun.

    Tal desenvolvimento poderia levar a uma situação em que "todos estão lutando entre si", enfatizou.

    "A regra da força dominaria. Esta é uma estrada para a guerra", completou Volodin.

    Na segunda-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, assinou uma declaração reconhecendo a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã, confiscada por Israel da Síria durante a Guerra dos Seis Dias de 1967 e formalmente anexada pelo Estado judaico em 1981.

    Em resposta à decisão dos EUA, a ONU lembrou que o Conselho de Segurança da ONU, em dezembro de 1981, declarou que a anexação das Colinas de Golã por Israel era "nula e sem efeito legal internacional", e que essa posição não mudou.

    Além disso, países como Rússia, Turquia e a Liga Árabe também condenaram o movimento.

    Mais:

    Trump quer 'demolir' a lei internacional ao reconhecer ocupação de Israel em Golã, diz HRW
    EUA não têm fundamento legal para mudar status das Colinas de Golã, afirma professor
    Mídia: Europa recusa reconhecer soberania de Israel sobre Colinas de Golã
    Tags:
    Guerra dos Seis Dias, assentamentos, judeus, soberania, diplomacia, Liga Árabe, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Vyacheslav Volodin, Michel Aoun, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, Estados Unidos, Colinas de Golã, Síria, Israel, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar