05:10 20 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    John Bolton na OTAN.

    Bolton seria responsável pelo colapso do cessar-fogo entre a Rússia e os EUA na Síria

    © Sputnik / Alexey Vitvitsky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9210

    Autoridades do alto escalão do governo Trump disseram que as negociações dos EUA com a Rússia "decaíram amplamente" depois que o assessor de segurança nacional John Bolton anunciou que as tropas americanas permaneceriam indefinidamente no país do Oriente Médio até que "todas as forças iranianas" fossem retiradas, informou o Washington Post.

    De acordo com o jornal, a decisão do presidente Trump na quinta-feira de começar a reconhecer as colinas sírias de Golã como parte de Israel, realmente começou a "ganhar tração real" apenas depois que Bolton chegou à Casa Branca em abril passado.

    Negociadores russos, americanos e jordanianos conversaram em Amã em meados de 2017 com o objetivo de estabelecer zonas de desescalada nas províncias sírias de Daraa, Quneitra e As-Suwayda, discutindo a presença militar ilegal na Síria, bem como a participação da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã e da milícia libanesa Hezbollah na guerra.

    Israel se opôs à criação das zonas de desescalamento, alegando que a medida permitiria que o Irã construísse uma presença perto das colinas de Golã e manifestando preocupação com o fato de que o acordo limitou as forças iranianas a operar a uma profundidade de apenas a 20 km da fronteira sírio-israelense. No final de 2018, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ressaltou que a Rússia cumpriu todos os acordos relevantes na Síria para assegurar a segurança de Israel, com as forças iranianas sendo retiradas para mais de 100 km das fronteiras, conforme solicitado por Tel Aviv e Washington.

    O presidente Trump nomeou John Bolton como seu conselheiro de segurança nacional em abril de 2018, substituindo o ex-general do Exército dos EUA H.R. McMaster no posto. Em setembro passado, Bolton disse a repórteres que os EUA continuariam a manter presença na Síria até que o Irã retire suas forças, "incluindo representantes e milícias iranianos", marcando uma mudança pública em relação à meta anterior de derrotar o Estado Islâmico (Daesh).

    Tags:
    Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Casa Branca, Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã, Sergei Lavrov, Donald Trump, H.R. McMaster, Síria, Amã, Colinas de Golã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar