15:14 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira israelense no Monte Bental, nas Colinas de Golã, que são controladas por Israel (foto de arquivo)

    Análise: palavras de Trump sobre Golã visam fazer Rússia e Israel se enfrentarem na Síria

    © AFP 2019 / Jalaa Marey
    Oriente Médio e África
    URL curta
    241623
    Nos siga no

    A declaração do presidente dos EUA sobre as Colinas de Golã visa fazer com que a Rússia e Israel entrem em choque na Síria, podendo levar ao agravamento da tensão entre Damasco e Tel Aviv, disse o analista político Aleksei Fenenko.

    Anteriormente, o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que, para os EUA, chegou a hora de reconhecer a soberania de Israel sobre as Colinas de Golã. De acordo com ele, qualquer reconhecimento da soberania israelense sobre o território não o torna obrigatório para outras partes. 

    A declaração de Trump veio à tona na véspera da visita do premiê de Israel Benjamin Netanyahu aos EUA, que ocorrerá na semana que vem.

    "A afirmação de Trump é muito séria. O objetivo de Trump é fazer a Rússia e Israel entrarem em choque na Síria. É para isso que Trump dá estes 'presentes' a Israel. Primeiro, ao reconhecer Jerusalém como a capital israelense. Agora, chegou a vez das Colinas de Golã", disse Fenenko à Sputnik. 

    De acordo com o analista, o objetivo do presidente dos EUA é fazer com que "Israel enfrente outra coalizão na Síria".

    Ele acrescentou que as palavras do presidente norte-americano podem levar ao agravamento das tensões entre Israel e a Síria. 

    "Claro que podem. É o que os EUA querem", disse Fenenko, respondendo à pergunta. 

    Segundo ele, a reação da Rússia demonstrará contenção, tentando não contribuir para a deterioração da situação. 

    O Ministério das Relações Exteriores da Síria condenou a declaração "irresponsável" de Donald Trump em relação às Colinas de Golã, ao assinalar que os EUA estão agravando a situação na região e violando o direito internacional, em particular, a Resolução 497 da ONU de 1981, segundo qual a decisão de Israel de estabelecer suas leis no território foi considerada como inválida e ilegítima. 

    O Kremlin reagiu de forma negativa à declaração de Donald Trump. De acordo com o porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, "os apelos deste tipo podem desestabilizar significativamente a situação no Oriente Médio, que já é tensa". Ele acrescentou que Moscou espera que as palavras do presidente dos EUA “não passem de um apelo".

    Mais:

    Netanyahu: Israel tem total 'liberdade de ação' no combate ao Irã na Síria
    Síria condena apelos de Trump para reconhecer soberania de Israel sobre Colinas de Golã
    'Controladas por Israel': EUA deixam de considerar Colinas de Golã 'ocupadas'
    Tags:
    confronto, soberania, Donald Trump, Colinas de Golã, Síria, Israel, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar