02:59 08 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Central nuclear no Irã (imagem referencial)

    Analistas dos EUA dizem que instalação nuclear iraniana é mais antiga do que é declarado

    © AFP 2019 / BEHROUZ MEHRI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    560
    Nos siga no

    Um relatório publicado pelo Instituto de Ciência e Segurança Internacional, sediado em Washington, afirma que instalação de enriquecimento de urânio de Fordow, também conhecida como Al Ghadir, é mais antiga do que Teerã declara.

    A instalação Al Ghadir, supostamente usada para enriquecer o urânio necessário para fabricação de bombas nucleares, foi oficialmente construída em 2007. No entanto, o centro de pesquisas americano cita o chamado "arquivo nuclear iraniano", revelado em 2018 por Netanyahu, alegando que na realidade esta instalação já existia em 2004 e que sua construção provavelmente começou em 2002.

    As imagens geoespaciais obtidas pelo Instituto mostram que a construção da então secreta instalação de enriquecimento de urânio de Fordow, também conhecida como Al Ghadir, já estava bem avançada em 2004/2005

    A instalação nuclear foi descoberta pela primeira vez em 2009, relata o The Jerusalem Post. A descoberta e a consequente crise diplomática provocaram as sanções impostas a Teerã pelo Conselho de Segurança da ONU. Em 2015, após anos de negociações, o Irã, a UE e 6 outros países assinaram o famoso acordo nuclear, que levantou as sanções em troca de o Irã abandonar suas aspirações em matéria de armas nucleares.

    O Irã negou repetidamente que a instalação de Fordow se destinava a produzir urânio de qualidade militar, afirmando que sua tarefa consistia apenas em produzir urânio pouco enriquecido para usinas nucleares.

    "O Arquivo Nuclear levanta novamente a decepção do Irã sobre suas atividades com armas nucleares anteriores e levanta profundas questões sobre o verdadeiro propósito desta instalação", diz o relatório do Instituto de Ciência e Segurança Internacional.

    O diretor do instituto, David Albright, disse em entrevista ao Jerusalem Post que a instalação de Fordow poderia ser usada para produzir de uma a duas bombas atômicas por ano.

    O "arquivo nuclear iraniano" foi revelado em abril de 2018 por Netanyahu, que disse que ele foi obtido durante uma operação de inteligência israelense. Durante a apresentação do "arquivo", Netanyahu alegou que ele incluía 55.000 páginas e 183 CDs, que os iranianos guardavam no que ele descreveu como um "armazém abandonado".

    Mas a apresentação foi recebida com interesse limitado, pois a maioria das informações no suposto arquivo seria conhecida desde cerca de 2007.

    O acordo nuclear do Irã, conhecido oficialmente como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), foi assinado em 2015 pelo Irã, China, Rússia, UE, Reino Unido, EUA, França e Alemanha. Os países participantes continuam a aderir ao acordo, apesar da decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de se retirar unilateralmente do acordo em 2018.

    Mais:

    EUA querem investigação de locais secretos onde Irã desenvolveria tecnologia nuclear
    Teerã: acusações de Israel sobre armazém nuclear secreto no Irã são 'cortina de fumaça'
    Irã seguirá no acordo nuclear enquanto lucrar com o seu petróleo, diz Zarif
    Tags:
    início, funcionamento, usina atômica, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar