02:26 25 Junho 2019
Ouvir Rádio
    O tanque T-72 (imagem referencial)

    Tanque é totalmente destruído por ataque aéreo no Iêmen (VÍDEO)

    © Sputnik / Aleksandr Kondratuk
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5012

    No Iêmen, tanques T-72S dos rebeldes houthis se tornam vítimas dos aviões da Força Aérea saudita. O momento da destruição de um destes veículos foi filmado e publicado nas redes.

    Segundo o portal Russkoe Oruzhie, estes tanques T-72S se provaram porpoise como confiáveis e bastante simples de operar. Em vários "pontos quentes", eles demonstraram repetidamente que podem resistir a impactos de granadas propelidas por foguetes, mísseis guiados e projéteis de artilharia. No entanto, segundo a publicação, tal como todos os veículos blindados, os T-72 têm um inimigo perante quem eles ficam praticamente desamparados, trata-se da aviação.

    Coalizão saudita publicou um vídeo da destruição de um tanque T-72S dos houtis iemenitas na província de Hajj, no norte do Iêmen. O episódio ocorreu em janeiro

    ​No início do vídeo, pode se ver que a tripulação, percebendo a ameaça, tentou se esconder debaixo das árvores. No entanto, isso não ajudou, o tanque já estava na mira do caça-bombardeiro atacante.

    Depois de alguns segundos, vemos uma nuvem de uma potente explosão, o impacto direto destruiu completamente o T-72S. Este incidente ocorreu no início de janeiro deste ano perto da cidade de Harad. A tripulação aparentemente não sobreviveu.

    Como indica a publicação, isso confirma o fato de que sem uma boa defesa antiaérea qualquer tanque, mesmo o mais avançado, tem poucas chances de sobreviver ao ataque de um avião com munições de alta precisão.

    Mais:

    Divulgado VÍDEO de ataque com míssil contra tanque T-34 no Iêmen
    Coalizão saudita diz ter destruído locais de lançamento de mísseis rebeldes no Iêmen
    Lendário obuseiro autopropulsado soviético fortalece Exército do Iêmen (FOTOS)
    Tags:
    destruição, ataque aéreo, tanque, T-72, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar