21:31 21 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Rudy Giuliani ao lado de Donald Trump, presidente dos EUA

    Advogado de Trump volta a defender a derrubada do governo do Irã

    © REUTERS / Mike Segar
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14110

    O advogado pessoal do presidente Donald Trump, Rudy Giuliani, voltou a defender nesta quarta-feira a derrubada do governo do Irã, que nesta semana celebrou o aniversário de 40 anos da Revolução Islâmica.

    Ressaltando que falava como um cidadão e não como um representante da administração dos EUA, Giuliani ressaltou que, na sua opinião, já estava na hora do atual governo de Teerã deixar o poder, chamando-o de "opressor" e "assassino".

    "Muitos de nós que somos cidadãos americanos — agora estou falando em minha capacidade privada — por muitos anos, tanto com esse grupo [MEK] quanto com outros, acredito que tem que haver uma derrubada deste regime. Eu não acho que essa ditadura teocrática possa se tornar algum tipo de força democrática liberal-democrática", declarou à jornalistas.

    "Eles são matadores, são homicidas, são assassinos. A tentativa de nos matar [MEK] duas vezes no ano passado. Então, eu tenho um sentimento pessoal sobre isso também. Eu acho que esse regime tem que sair", acrescentou Giuliani.

    As declarações foram feitas a jornalistas depois de uma reunião do grupo opositor iraniano Mujahedeen-e-Khalq (MEK), realizada em Varsóvia, na Polônia. No passado, os EUA e a União Europeia (UE) já classificaram o MEK como uma organização terrorista.

    Ainda segundo Giuliani, que já foi prefeito de Nova York é advogado de Trump em temas polêmicos, a sua posição é a mesma da Casa Branca sobre a necessidade de mudanças no Irã.

    "A política do meu governo é para que haja mudanças políticas no Irã. Então, estamos muito firmes, nosso governo está firmemente na posição de que o Irã deve mudar imediatamente a opressão, a falta de lei, a opressão das mulheres e, é claro, a exportação do terrorismo, que é o maior patrocinador estatal. do terrorismo no mundo. Isso tem que mudar imediatamente. Essa é a posição do governo [dos EUA]", destacou.

    O tom da fala de Giuliani é semelhante ao que ele já havia dito no ano passado, quando defendeu as sanções norte-americanas contra Teerã, em uma dor econômica que, segundo ele, poderia levar a uma "revolução bem-sucedida".

    "Eu não sei quando vamos derrubá-los. Pode ser daqui a alguns dias, meses, um par de anos. Mas isso vai acontecer", garantiu o advogado de Trump, em comentários feitos em um hotel na Times Square, em Nova York.

    O episódio é apenas mais um desencadeado por Trump e seus aliados desde a sua saída do acordo nuclear com Teerã e demais potenciais ocidentais, seguida de uma série de sanções econômicas re-impostas contra os persas. Já o Irã garante que sempre seguiu o acordo firmado em 2015, e que o criticado desenvolvimento de mísseis não integrava o documento.

    Mais:

    Ataque suicida no Irã mata 41 pessoas, incluindo integrantes da Guarda Revolucionária
    Chancelaria russa comenta informações sobre alegado fornecimento de sistemas S-400 ao Irã
    Inteligência dos EUA teme capacidades espaciais da Rússia, China, Coreia do Norte e Irã
    Irã pode estar comemorando o último aniversário de sua revolução, ameaça Netanyahu
    Tags:
    relações bilaterais, sanções, diplomacia, persas, Revolução Islâmica, golpe, acordo nuclear, terrorismo, Mujahedeen-e-Khalq (MEK), MEK, Rudy Giuliani, Donald Trump, Varsóvia, Polônia, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar