00:52 17 Fevereiro 2019
Ouvir Rádio
    John Bolton, ex-embaixador dos EUA na ONU, chega a um encontro com Donald Trump em 2 de dezembro de 2016 em Nova York

    Revolução Iraniana significou '40 anos de fracasso', afirma assessor de Trump

    © AP Photo / Evan Vucci
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 24

    A revolução islâmica do Irã atingiu quatro décadas e infligiu "fracasso e promessas não cumpridas" no país, afirmou o principal assessor de política externa do presidente Donald Trump nesta segunda-feira.

    "Foram 40 anos de fracasso. Agora cabe ao regime iraniano mudar seu comportamento e, em última instância, até o povo iraniano para determinar a direção de seu país", escreveu no Twitter o assessor de segurança nacional, John Bolton, no aniversário da sublevação.

    Bolton destacou ainda que Washington apoiará "a vontade do povo iraniano e apoiará suas vozes".

    Bolton, um líder na tentativa da administração Trump de enfraquecer a influência iraniana, estava escrevendo na rede social quando uma enorme multidão em Teerã se reuniu para celebrar a revolução de 1979, na qual o líder muçulmano aiatolá Ruhollah Khomeini pôs fim ao governo centenário da dinastia real.

    O presidente iraniano Hassan Rouhani disse aos iranianos que eles deveriam resistir a uma "conspiração" envolvendo Washington.

    A administração Trump tem pressionado muito para enfraquecer o Irã, o que Rouhani diz ser a influência "desestabilizadora" de Teerã.

    Os dois países não mantêm relações diplomáticas desde 1980, e Trump retirou os Estados Unidos de um acordo internacional destinado a recompensar o Irã por abandonar as ambições de armas nucleares.

    Mais:

    Líder supremo do Irã explica significado do slogan: 'Morte à América!'
    General iraniano: Irã vai castigar severamente agressores que o atacam
    EUA prometem ser 'implacáveis' após Irã apresentar novo míssil em instalação subterrânea
    Tags:
    relações bilaterais, oposição, farpas, diplomacia, revolução iraniana, Revolução Islâmica, Ruhollah Khomeini, Donald Trump, John Bolton, Hassan Rouhani, Irã, Estados Unidos