07:14 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Vista de Teerã

    Irã nunca aceitará 'condições humilhantes' para comércio com a UE, diz aiatolá

    © Fotolia / Borna_Mir
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4151
    Nos siga no

    O novo sistema de pagamento criado pela França, Alemanha e Reino Unido na semana passada, para permitir "comércio legítimo" com o Irã, tem capacidade limitada e condições humilhantes, segundo o chefe do Judiciário iraniano, o aiatolá Sadeq Amoli Larijani.

    O país persa nunca aceitará isso, disse ele durante uma reunião com autoridades judiciais de alto escalão em Teerã.

    "Depois de nove meses de procrastinação e negociação, os europeus criaram um mecanismo com capacidade limitada, não para trocar dinheiro, mas por comida e remédios", declarou Larijani, segundo a agência de notícias Tasnim.

    Segundo ele, os países europeus definiram duas "condições estranhas" para o mecanismo denominado Instrumento de Apoio ao Comércio Exterior (INSTEX).

    A primeira condição é que o Irã se junte ao Grupo de Ação Financeira (GAFI) e o outro é que o país deve entrar em negociações sobre seu programa de mísseis.

    "Os países devem estar cientes de que o Irã não aceitará de forma alguma essas condições humilhantes e não aceitará nenhuma exigência à custa da abertura de uma pequena hidrovia, como a INSTEX", comentou o chefe do Judiciário.

    O novo canal de pagamento para o comércio "humanitário" com o Irã foi lançado pela França, Alemanha e Reino Unido na esteira das sanções dos EUA. Eles disseram que o sistema se concentrará inicialmente nos "setores mais essenciais para a população iraniana" — como dispositivos alimentícios, farmacêuticos e médicos.

    Eles também elogiaram o mecanismo futuro como um passo importante na preservação do Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA), dizendo que ajudaria os estados europeus a permanecerem comprometidos com sua parte do tratado.

    Alguns especialistas, no entanto, disseram que o mecanismo era inútil e não mudaria nada para as empresas europeias, já que elas não podem se sentir confiantes de que poderiam fazer negócios com o Irã sem estarem sujeitas às sanções dos Estados Unidos.

    Os países da União Europeia vêm considerando a ideia de um canal especial de pagamento com o Irã desde o ano passado, após a dramática retirada dos Estados Unidos do acordo nuclear assinado por Teerã e seis potências mundiais em 2015. Washington então reintroduziu suas sanções contra o Irã.

    No mês passado, o embaixador da Suíça em Teerã disse que a Suíça e o Irã estavam trabalhando em um canal de pagamento independente.

    Mais:

    Irã trabalha em novo míssil de longo alcance equipado com ogiva guiada, diz ministro
    Irã não terá outra opção senão continuar com programa de mísseis, diz general iraniano
    Irã reafirma apoio a Nicolás Maduro e critica intervencionismo dos EUA na Venezuela
    Tags:
    mísseis, Instrumento de Apoio ao Comércio Exterior (INSTEX), diplomacia, JCPOA, comércio, economia, tarifas, sanções, Grupo de Ação Financeira (GAFI), União Europeia, Sadeq Amoli Larijani, Reino Unido, França, Alemanha, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar