00:29 19 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Tropas da Guarda Revolucionária do Irã

    Forças iranianas continuarão presentes na Síria, diz comandante

    © AP Photo / Ebrahim Noroozi, File
    Oriente Médio e África
    URL curta
    461

    Recentemente, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, incitou a saída do Irã do território sírio sob a ameaça de continuar com os ataques aéreos a alvos militares iranianos posicionados no estado árabe.

    Segundo a agência iraniana ISNA, o comandante do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (IRGC), Mohammad Ali Jafari, afirmou que Teerã não escutará as ameaças de Tel Aviv e manterá suas forças e armas na Síria.

    "A República Islâmica do Irã manterá seus conselheiros militares, forças revolucionárias e armas na Síria", disse Mohammad Ali Jafari.

    A declaração de Jafari é resultado de uma série de ameaças feitas pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, que também advertiu que as Forças de Defesa israelenses continuarão com os ataques aéreos a tropas iranianas posicionadas no território sírio, enfatizando que as tropas iranianas deveriam deixar suas posições rapidamente.

    As ameaças e advertências por parte de Israel ocorreram após um oficial iraniano afirmar que o Irã se limita a fornecer assessoria militar à Síria.

    Nos últimos anos, Israel tem realizado operações de bombardeios contra o Irã e seus representantes na Síria e no Líbano, mais precisamente, em 2018, foram lançadas aproximadamente 2 mil bombas contra supostos alvos aliados ao país persa.

    O último ataque israelense ocorreu no dia 12 de janeiro, que danificou as instalações do Aeroporto Internacional de Damasco, além de diversas aeronaves.

    Mais:

    Exército israelense reconhece que Israel forneceu armas a grupos rebeldes na Síria
    Netanyahu reconhece que Israel bombardeou alvos na Síria
    Irã cria novos tipos de enriquecimento de urânio
    Tags:
    ameaças, forças armadas, equipamentos militares, militares, Israel, Irã, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar