03:36 23 Março 2019
Ouvir Rádio
    Sistemas de defesa antimíssil S-400 russos (foto de arquivo)

    Turquia diz que não concordará em abdicar dos S-400 como condição de entrega dos Patriot

    © Sputnik / Sergei Malgavko
    Oriente Médio e África
    URL curta
    181

    A Turquia está pronta para estudar a oferta dos EUA sobre os sistemas de defesa antiaérea Patriot, mas considera a compra inaceitável, caso esta implique a abdicação dos sistemas russos S-400, afirmou o chanceler turco, Mevlut Cavusoglu.

    "A Turquia pode no futuro comprar os sistemas Patriot, mas não o considera possível caso a compra tenha como condição abdicar dos S-400", apontou Cavusoglu no canal NTV.

    Ofensiva da Turquia na Síria
    © REUTERS / Assessoria de Imprensa das Forças Revolucionárias da Síria
    Anteriormente, a agência Anadolu comunicou que a delegação dos EUA apresentou na Turquia uma oferta de venda de sistemas Patriot, incluindo quatro radares AN/MPQ-65, 4 centros de controle, 10 conjuntos de antenas, 20 lançadores de mísseis M903 e outros equipamentos.

    A agência de colaboração na área de defesa e segurança do Pentágono comunicou previamente que o Departamento do Estado dos EUA aprovou um possível contrato com a Turquia de venda dos sistemas de defesa antiaérea Patriot com o equipamento necessário no valor total de US$ 3,5 bilhões (R$ 12,8 bilhões). 

    O contrato de concessão de crédito para o fornecimento dos sistemas russos de defesa antiaérea S-400 à Turquia foi assinado em dezembro de 2017 em Ancara. De acordo com o chefe da estatal russa Rostec, Sergei Chemezov, trata-se do fornecimento de quatro divisões de S-400 no valor de US$ 2,5 bilhões (R$ 9,4 bilhões).

    Mais:

    Rússia e Turquia conseguiram superar crise bilateral, afirma diplomata
    Turquia apela para coordenar com Rússia e Irã saída dos EUA da Síria
    EUA enviarão equipe à Turquia para tentar barrar compra do sistema russo S-400
    Tags:
    defesa antiaérea, Patriot, S-400, Mevlut Cavusoglu, Turquia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar