10:24 24 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Patrulha dos EUA na Síria

    Casa Branca nega que Trump 'mudou de ideia' sobre a Síria

    © AP Photo / Arab 24 network
    Oriente Médio e África
    URL curta
    221

    A posição do presidente dos EUA, Donald Trump, a respeito da presença das tropas norte-americanas na Síria permanece a mesma, segundo afirmou a conselheira de Comunicações Estratégicas da Casa Branca, Mercedes Schlapp, nesta segunda-feira (7).

    Schlapp fez a afirmação durante uma entrevista à emissora Fox News e acrescentou que a posição de Trump não mudou pois o objetivo principal de seu governo é manter a segurança das tropas dos EUA e de aliados, mesmo após a saída dos EUA da Síria.

    "O presidente não mudou sua posição, como ele mencionou seu objetivo principal é o de garantir a segurança de nossas tropas e a segurança de nossos aliados também", disse Schlapp aos repórteres.

    "E assim o Departamento de Defesa apresentará um plano operacional para retirar as tropas dos EUA com segurança. Nós derrotamos o califado territorial, e agora é a hora de trazer nossas tropas de volta", acrescentou.

    Em dezembro, Trump anunciou que os EUA iriam retirar suas tropas da Síria, assegurando que o objetivo de derrotar o Daesh* já havia sido atingido.

    Em resposta ao anúncio do presidente norte-americano, o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, assim como o coordenador da administração contraterrorista, Brett McGurk, renunciaram a seus cargos.

    O conselheiro nacional de segurança dos EUA, John Bolton, passou a segunda-feira (7) em Israel para garantir ao Estado judeu que as tropas dos EUA não deixariam a Síria até que a Turquia concordasse em não atacar as forças curdas, aliadas dos norte-americanos. Bolton também garantiu aos israelenses que os EUA só deixariam a Síria completamente quando o restante dos Daesh fosse eliminado.

    Apesar da derrota do grupo terrorista em boa parte do território sírio, alguns bolsões de militantes permanecem na região. Segundo o Departamento de Defesa norte-americano, mais de 450 ataques foram realizados pela coalizão internacional liderada pelos EUA contra o Daesh durante as primeiras duas semanas de 2019.

    O anúncio inicial de Donald Trump foi seguido de uma movimentação das forças militares da Turquia na região da cidade síria de Manjib, onde permanecem forças curdas.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também alertou, na sexta-feira (4), que os EUA precisariam primeiro garantir que a Turquia não massacraria os Curdos dentro das forças aliadas dos EUA das Unidades de Proteção Popular (YPG). O YPG é apoiado pelos EUA, mas é considerado um grupo terrorista pelos turcos e, portanto, se criou o temor de que a saída dos militares norte-americanos da Síria pudesse atingi-los.

    Mais:

    Líder da oposição síria apela aos líderes árabes para que não retomem laços com Damasco
    Netanyahu: Israel continuará se opondo à 'agressão' do Irã na Síria
    Bolton alerta Turquia contra ação militar na Síria sem coordenação com os EUA
    Militares russos entregam 2 toneladas de comida em campo palestino na Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, Daesh, Unidades de Proteção Popular (YPG), FOX News, Mike Pompeo, Brett McGurk, James Mattis, John Bolton, Donald Trump, Mercedes Schlapp, EUA, Israel, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik