16:44 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Líderes africanos assinaram o acordo de livre comércio, o maior desde a criação da Organização Mundial do Comércio, 21 de março de 2018

    África está prestes a se tornar a maior zona de livre comércio do mundo

    © AP Photo / ASSOCIATED PRESS
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1110
    Nos siga no

    Os parlamentos da África do Sul e do Togo ratificaram neste mês o acordo que estabelece a Área de Livre Comércio Continental da África (AfCFTA, na sigla em inglês), aumentando o número de países participantes para 49.

    Quando o acordo entrar em vigor, o continente africano ficará livre de tarifas, cobrindo um mercado único de 1,2 bilhão de pessoas em 55 países, com um produto interno bruto combinado de aproximadamente US$ 3 trilhões (R$ 11,7 trilhões).

    Segundo Rob Davies, ministro do Comércio e Indústria da África do Sul, o acordo abrangerá a maior área de livre comércio global.

    Economistas observam que o acesso livre de tarifas a um mercado enorme e unificado encorajará os fabricantes e fornecedores de serviços a impulsionar economias de escala. 

    A criação da área de livre comércio exige que pelo menos 22 países apresentem os instrumentos de ratificação. Até o momento, o acordo conta com 15 ratificações, incluindo mais sete remanescentes. 

    Albert Muchanga, comissário para o Comércio e Indústria da União Africana (UA), disse nesta semana que está confiante de que os votos restantes, necessários para cumprir a AfCFTA, estarão garantidos antes da próxima reunião da cúpula da UA, em fevereiro de 2019. 

    A proposta AfCFTA foi aprovada em 2012 e os membros começaram a trabalhar em um esboço em 2015. A criação de uma moeda comum está sendo cogitada pelos participantes do acordo.

    Mais:

    Lendária arma de fogo de infantaria soviética é encontrada na África (VÍDEO)
    Quem é o predador? EUA fazem pouco, mas criticam investimentos de China e Rússia na África
    Tags:
    acordo, zona de livre comércio, Togo, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar