07:28 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados da 173ª brigada de paraquedistas dos EUA no Afeganistão (foto de arquivo)

    Operação no Afeganistão foi um grave erro, afirma ex-embaixador americano

    © AFP 2019 / MUNIR UZ ZAMAN / AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9110
    Nos siga no

    Segundo o ex-embaixador dos EUA no Uzbequistão, John Herbst, a operação dos EUA no Afeganistão foi um erro e, além disso, não conseguiu solucionar os problemas.

    Herbst foi embaixador dos EUA no Uzbequistão entre 2000 e 2003 e esteve envolvido na preparação da operação de entrada das tropas americanas no Afeganistão, durante a presidência de George W. Bush.

    Ele afirma que talvez seja o momento de os EUA deixarem o país, tal como deixaram a Síria. O comentário surgiu depois de o Wall Street Journal relatar que os EUA estariam considerando a ideia de reduzir suas tropas no Afeganistão dentro de algumas semanas.

    "Eu acredito que a política de George W. Bush foi terrível. A guerra do Iraque foi definitivamente terrível, bem como a maneira como ele realizou a operação no Afeganistão, um erro muito grave […]", declarou Herbst.

    Ele enfatiza que a missão dos EUA não obteve sucesso e, por isso, a decisão de retirar as tropas do país talvez seja a mais sábia. Assim, ele apoia da decisão do presidente americano, Trump. Herbst acredita que a questão é saber se será possível atingir metas tangíveis nesses países.

    Assim como na Síria, os EUA acreditaram que seria possível modificar a situação. Entretanto, isso não foi possível e o ex-presidente Barack Obama entendeu essa situação e não entrou no território sírio, o que gerou controvérsias sobre sua política.

    O maior erro de Obama ocorreu na Líbia, por isso, ele não queria repetir o mesmo erro na Síria, segundo o ex-embaixador, que observou que Obama não se sentiu suficientemente forte politicamente para abandonar os locais dos conflitos.

    Ele referiu que os militares norte-americanos estão realizando operações contra os talibãs no Afeganistão desde 2001, sendo essa a operação mais longa da história. Atualmente, há mais de 14 mil militares norte-americanos na região.

    Mais:

    Que desavenças e discordâncias teriam motivado saída de Mattis do Pentágono?
    De saída, embaixadora dos EUA diz que plano de paz de Trump é 'melhor para Palestina'
    Afeganistão abre as portas para negociar com Talibã e mudar Constituição, afirma oficial
    Tags:
    redução, militares, erro grave, tropas, Afeganistão, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar