19:51 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Crianças palestinas olham através de um buraco no cercado em um bairro pobre de Gaza

    Sem dinheiro dos EUA, ONU deixará metade de Gaza e Cisjordânia com fome

    © AFP 2019 / Mahmud Hams
    Oriente Médio e África
    URL curta
    520
    Nos siga no

    O Programa Mundial de Alimentos (PMA) da ONU está cortando a ajuda alimentar aos palestinos em Gaza e na Cisjordânia, colocando em risco cerca de 190 mil pessoas empobrecidas. A falta de financiamento dos EUA, interrompida em setembro, está sendo intensamente sentida pelos trabalhadores humanitários.

    Em janeiro, 27 mil pessoas na Cisjordânia terão sua assistência alimentar cortada, e 165 mil pessoas na Cisjordânia e em Gaza terão sua ajuda alimentar reduzida em 20%.

    "Infelizmente, o PMA foi forçado a fazer cortes drásticos no número de pessoas que apoiamos na Palestina, tanto em Gaza como na Cisjordânia", afirmou Stephen Kearney, diretor de país do PMA nos Territórios Palestinos, à Agência Reuters.

    Os grupos humanitários que trabalham com os palestinos registraram níveis recorde de financiamento neste ano, em grande parte como resultado da decisão dos EUA de encerrar seu apoio de US$ 300 milhões à Agência de Assistência às Nações Unidas para Palestinos (UNRWA) em setembro.

    O vice-coordenador especial da ONU para o Oriente Médio, Jamie McGoldrick, lançou esta semana um apelo de US$ 350 milhões para ajudar as pessoas na Palestina, particularmente em Gaza, que experimentou "grave deterioração na situação humanitária, como resultado de uma enorme ascensão", declarou.

    "Em baixas nos protestos de março de retorno, em surtos de violência e em uma economia que está em queda livre", acrescentou.

    Na segunda-feira, McGoldrick deu detalhes sobre o planejamento para o próximo ano.

    "Nosso plano para 2019 prioriza a assistência às pessoas avaliadas como mais necessitadas de proteção, alimentação, assistência médica, abrigo, água e saneamento", pontuou. "Isso nos permite maximizar o financiamento limitado. Mas muito mais é necessário e estamos prontos para fazer mais, se o financiamento e o espaço operacional forem melhorados".

    Mais:

    Netanyahu promete novos assentamentos na Cisjordânia em resposta a morte de soldados
    Ministro israelense pede aos EUA punam o Airbnb por fim das operações na Cisjordânia
    Casa Branca nega que Trump tenha discutido planos de anexação da Cisjordânia por Israel
    Tags:
    direitos humanos, assistência humanitária, pobreza, fome, ajuda humanitária, Jamie McGoldrick, Stephen Kearney, Estados Unidos, Cisjordânia, Gaza, Oriente Médio, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar