16:48 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Mohammad bin Salman Al Saud, príncipe herdeiro da Arábia Saudita

    Senado dos EUA vai considerar resolução condenando o príncipe herdeiro da Arábia Saudita

    © Sputnik / Sergey Guneev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    781

    O presidente do Comitê de Relações Exteriores do Senado dos EUA disse nesta terça-feira (11) que planeja apresentar nesta semana uma resolução conjunta condenando o príncipe saudita Mohammed bin Salman pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

    O senador republicano Bob Corker disse que esperava que a medida fosse aprovada pelo Senado. Se passar pela Câmara dos Deputados, ela iria à Casa Branca para o presidente Donald Trump assinar ou vetar.

    "Espero que tenhamos uma votação muito forte em uma resolução condenando o príncipe herdeiro", disse Corker.

    Os assessores do presidente republicano da Câmara, Paul Ryan, não responderam imediatamente a um pedido para comentar se a Câmara planejava votar a medida caso ela seja aprovada no Senado.

    Separadamente, um assessor da Casa disse que a diretora da CIA, Gina Haspel, terá uma reunião confidencial sobre o caso Khashoggi com os líderes da Câmara e os chefes dos comitês de segurança nacional na quarta-feira.

    Dois senadores democratas, Ed Markey e Jeff Merkley, disseram ter enviado uma carta na terça-feira pedindo ao secretário de Energia, Rick Perry, que faça uma declaração ao Congresso sobre qualquer negociação com a Arábia Saudita em um acordo nuclear civil após recente viagem ao reino.

    Os funcionários do Departamento de Energia não responderam imediatamente a um pedido de comentário.

    Resoluções conjuntas do Congresso devem ser assinadas pelo presidente para ter força de lei. O conteúdo da resolução não foi divulgado, por isso não ficou claro se a resolução conjunta provocaria qualquer punição específica contra o príncipe herdeiro ou o reino além de uma declaração de condenação.

    Segundo Corker, a resolução foi apresentada na semana passada pelo senador republicano Lindsey Graham e outros republicanos e democratas que condenaram a morte de Khashoggi e disse que o Senado "tem um alto nível de confiança" de que Mohammed bin Salman foi cúmplice no homicídio.

    Khashoggi, um residente dos EUA que era colunista do Washington Post, foi morto dentro do consulado saudita em Istambul em outubro.

    Mais:

    Após G20, príncipe herdeiro da Arábia Saudita visitará a Argélia
    Arábia Saudita firma contrato para comprar sistema THAAD americano, relata mídia
    Força Aérea do Reino Unido mantém manobras conjuntas com Arábia Saudita (FOTOS)
    Arábia Saudita oferece US$500 milhões em ajuda humanitária no Iêmen
    Trump chama Arábia Saudita de 'grande aliado' apesar do relatório da CIA
    Tags:
    Jamal Khashoggi, Mohammed bin Salman, Arábia Saudita, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar