10:31 21 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Coalizão da aviação dos países árabes causou ataques aéreos contra a residência do ex-presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh

    Casa Branca pretende continuar apoiando campanha militar no Iêmen apesar das pressões

    © Sputnik / Stringer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    104

    Os Estados Unidos não pretendem ceder à pressão e parar de apoiar a coalizão árabe liderada pela Arábia Saudita no Iêmen, declarou um alto funcionário do Departamento de Estado, citado pela Reuters.

    Desde o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi no consulado da Arábia Saudita em Istambul, a administração americana tem enfrentado pressão no país devido ao seu envolvimento no conflito de 4 anos no Iêmen.

    No mês passado, o Senado votou a favor de uma resolução para acabar com o apoio militar dos EUA à coalizão, incluindo a venda de armas e o fornecimento de dados de inteligência.

    "Há pressão no nosso sistema… para que nos retiremos do conflito ou paremos nosso apoio à coalizão, algo a que, do lado da administração, nos opomos fortemente", disse Timothy Lenderking, vice-secretário adjunto para os Assuntos do Golfo Pérsico, citado pela agência

    O funcionário sublinhou que o apoio à coalizão "é necessário" e que, se os EUA pararem seu apoio, isso "enviará uma mensagem errada".

    A afirmação vai no mesmo sentido das recentes palavras do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, que disse que o fim de assistência militar aos sauditas causará "danos imensos" aos interesses dos EUA.

    Lenderking fez sua afirmação em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, durante um evento dedicado à segurança. Os Emirados também participam dos ataques aéreos ao Iêmen.

    O alto funcionário apoiou os esforços militares da coalizão dois dias após o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados ter anunciado que o conflito mata ou mutila em média 123 civis por semana.

    A coalizão árabe interveio no Iêmen em 2015 combatendo contra os rebeldes houthis, aliados do Irã. Desde a intervenção, o Iêmen mergulhou "na maior crise humanitária do mundo", segundo diz a ONU, com 75% da população precisando de ajuda. Pelo menos 16 mil civis morreram durante o conflito e 2,3 milhões foram deslocados, colocando grande parte da população à beira da fome.

    Mais:

    Coalizão saudita permitirá evacuação de houthis feridos do Iêmen
    Rebeldes houthis capturam funcionário da ONU no Iêmen
    Tags:
    apoio militar, pressão, vítimas, conflito, Departamento de Estado, ONU, Jamal Khashoggi, Mike Pompeo, Donald Trump, Iêmen, Irã, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik