03:26 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Forças de segurança afegãs durante patrulha em Cabul, capital do Afeganistão (arquivo)

    Talibãs matam vários soldados afegãos no oeste do país

    © AP Photo / Rahmat Gul
    Oriente Médio e África
    URL curta
    110

    Ao menos 14 soldados afegãos foram mortos e 21 foram capturados em um ataque noturno do Talibã contra postos do exército na província de Herat, no oeste do Afeganistão. A informação foi dada por um funcionário do governo citado pela Associated Press.

    Esse ataque foi o último de uma série de ofensivas praticamente diárias dos insurgentes contra as forças nacionais de segurança.  

    A operação começou na noite da última quinta-feira no distrito de Shindand, conforme explicou Najibullah Mohebi, membro do conselho provincial de Herat. Os combates duraram em torno de seis horas, ao final das quais chegaram os reforços e os insurgentes foram expulsos, mas quando já haviam capturado os 21 militares. Ao todo, cerca de 200 talibãs armados com metralhadoras e granadas teriam participado da ação. 

    De acordo com o porta-voz do Ministério da Defesa, Ghafor Ahmad Jaweed, o número de baixas registradas entre mortos e feridos seria inferior ao informado pela outra fonte, totalizando apenas dez soldados. Já o chefe do distrito de Shindand, Hekmatullah Hekmat, afirmou que aproximadamente 30 militantes teriam sido eliminados nos confrontos. 

    Mais:

    Rússia exige investigação de ataques aéreos da OTAN no Afeganistão
    Talibãs sequestram dezenas de civis no norte do Afeganistão
    EUA realizaram em 2018 o maior número de bombardeios no Afeganistão da série histórica
    Cerca de 32 pessoas são mortas em ataques aéreos contra o Talibã no sul do Afeganistão
    3 militares dos EUA morrem em explosão no Afeganistão
    OTAN impede aumento do extremismo no Afeganistão, diz Stoltenberg
    Tags:
    confronto, ataque, Talibã, Hekmatullah Hekmat, Ghafor Ahmad Jaweed, Najibullah Mohebi, Shindand, Herat, Afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik