03:55 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Chefe do Pentágono, James Mattis

    Chefe do Pentágono nega participação de príncipe saudita em assassinato de jornalista

    © AP Photo / Jacquelyn Martin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    817

    Os Estados Unidos não encontraram evidências que provem a participação do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman, no assassinato do colunista Jamal Khashoggi do Washington Post, disse nesta quarta-feira o secretário de Defesa James Mattis.

    "Não temos nenhuma evidência que aponte para o envolvimento do príncipe herdeiro. Nem a comunidade de inteligência ou qualquer outra pessoa [possui]", disse Mattis a repórteres do lado de fora do Pentágono.

    Mattis acrescentou que leu pessoalmente todas as informações sobre Khashoggi e todas as traduções das gravações de seu assassinato no consulado saudita na Turquia.

    "Não temos as fitas. Pelo menos não estou ciente disso. Mas li a tradução duas vezes", disse ele a repórteres.

    O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, também disse a repórteres na quarta-feira que leu todas as informações, mas não encontrou "informações diretas" ligando Bin Salman à morte de Khashoggi.

    Na semana passada, a imprensa americana informou que a CIA concluiu que bin Salman, pessoalmente, ordenou a morte de Khashoggi.

    O jornalista desapareceu no dia 2 de outubro depois de entrar no consulado saudita em Istambul. A Procuradoria-Geral da Arábia Saudita concluiu que ele foi morto dentro do consulado por injeção letal antes que seu corpo fosse desmembrado e removido do prédio.

    Tags:
    Departamento de Estado dos EUA, Pentágono, Procuradoria-Geral da Arábia Saudita, CIA, Mike Pompeo, Mohammad bin Salman, Jamal Khashoggi, James Mattis, Arábia Saudita, Istambul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik