04:10 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sírios evacuados da cidade de Aleppo durante o cessar-fogo chegam a um campo de refugiados em Rashidin, perto de Idlib, Síria.

    Chancelaria síria: militantes efetuaram ataque químico a Aleppo com ajuda do Ocidente

    © AP Photo /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    639

    No sábado (24), a mídia síria informou que os militantes bombardearam bairros residenciais de Aleppo com gás de cloro. As forças do governo sírio responderam contra suas posições, causando perdas significativas.

    A SANA relatou que militantes baseados a norte de Aleppo dispararam projéteis com cloro contra o bairro de al-Khalidiye. Eles também bombardearam o bairro de al-Zahraa, assim como o Nilo Stree, fazendo com que ao menos 107 pessoas fossem hospitalizadas. As vítimas sofreram de sufocamento supostamente causado por gás de cloro.

    O Ministério das Relações Exteriores da Síria declarou, neste domingo (25), que o bombardeio químico de Aleppo foi possível em decorrência da ajuda que os países ocidentais prestaram aos militantes, nomeadamente o fornecimento de armas para que eles realizassem ataques químicos.

    "Este ato terrorista vem como resultado das facilidades concedidas por alguns países para entregar produtos químicos a grupos terroristas armados, a fim de usá-los conta o povo sírio e pôr a culpa no governo da Síria, por meio de encenações previamente planejadas pelos serviços de inteligências dos países que apoiam o terrorismo", frisou o ministério, citado pela SANA.

    Damasco exigiu que a ONU tome medidas em relação aos militantes que atacaram a cidade e aos países que os têm apoiado.

    "O governo da República Árabe da Síria exige que o Conselho de Segurança condene imediata e fortemente estes crimes terroristas e assuma a sua responsabilidades pela preservação de paz e segurança internacionais, tomando medidas punitivas imediatas contra os países e regimes que apoiam o terrorismo", destacou o ministro.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia classificou o bombardeio de Aleppo como "uma tentativa de prejudicar o processo de normalização na Síria", acrescentando que o ataque deve ser "incondicionalmente condenado" por toda a comunidade internacional.

    Químicos militares russos foram enviados para a área afetada depois do ataque. Um porta-voz do Ministério da Defesa da Rússia repetiu as acusações anteriores de Moscou de que os Capacetes Brancos estavam tentando encenar provocações usando agentes químicos na zona de desescalada em Idlib para acusar as forças do governo sírio de usar armas químicas contra a população local.

    "É evidente que os Capacetes Brancos estão diretamente ligados a organizações terroristas que operam na Síria e, em particular, na zona de desescalada em Idlib", disse.

    Em 9 de outubro, o Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia e em vários outros países) atacou os militantes da Frente al-Nusra no assentamento sírio de Al-Lataminah, causando a morte de pelo menos dois membros dos Capacetes Brancos e apreendendo dois recipientes de cloro, que depois foram transportados para o sul da província de Aleppo e entregues aos terroristas do grupo Hurras al-Din, ligado ao Daesh.

    Segundo o Centro Russo de Reconciliação na Síria, haverá mais ataques no futuro. Aleppo foi libertada por tropas do governo sírio dos grupos terroristas em 2016, mas os militantes continuam bombardeando a cidade a partir de posições nos subúrbios.

    Mais:

    'É por inveja': analista comenta reação dos EUA às entregas de S-300 à Síria
    Imprensa publica VÍDEO sem igual de drones iranianos atacando terroristas na Síria
    EUA advertem Rússia sobre risco de novos incidentes no espaço aéreo da Síria
    Tags:
    ataque químico, cloro, gás, Ministério das Relações Exteriores da Síria, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Capacetes Brancos, Conselho de Segurança da ONU, ONU, Aleppo, Síria, Ocidente
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik