02:39 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Forças dos EUA patrulham arredores da cidade síria de Manbij, em 7 de março de 2017

    Analistas explicam para que EUA erguerão postos de observação no norte da Síria

    © AP Photo / Arab 24 network
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2012

    O Pentágono planeja instalar alguns "postos de observação" ao longo da fronteira entre Síria e Turquia para atender às preocupações turcas em torno das relações de Washington com as Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas, consideradas terroristas por Ancara.

    Mas especialistas estão seguros de que o desejo dos EUA de permanecer militarmente na Síria está sendo encoberto pela necessidade de prestar assistência militar à Turquia e de continuar lutando contra o terrorismo internacional.

    Os postos de observação permitirão que os EUA "entrem em contato com os turcos e os avisem vermos algo saindo de uma área que operamos", declarou Mattis a repórteres na quarta-feira (21).

    As Forças Democráticas da Síria (FDS) anunciaram o desejo de combater Daesh na região, mas possuem limitações militares por serem bombardeadas pelo exército turco.As FDS são aliadas dos EUA, mas a Turquia as considera uma divisão síria do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que é reconhecido na Turquia como organização terrorista.

    "Nosso posicionamento sobre PKK é claro. Nós não designamos e nunca designamos a FDS como uma organização terrorista, da maneira que designamos o PKK", declarou o enviado dos EUA para a Síria, James Jeffrey.

    O lado turco, por sua vez, observou que os Estados Unidos deveriam reconhecer ambas as organizações como terroristas. No entanto, os Estados Unidos se recusam a fazê-lo. Falando com o canal russo RT, Especialistas russos indicam que a instalação de postos de observação não seja um sinal de amizade dos EUA com a Turquia, mas apenas um passo político.

    "Se eles não tiverem esse contato, a presença deles no território da Síria parecerá ilegal. É claro que os Estados Unidos estão tentando não perder o que sobrou da cooperação com a Turquia, que é tanto membro da OTAN como país aliado aos EUA", disse Yuri Rogulev, diretor da Fundação Roosevelt da Universidade Estatal de Moscou.

    Segundo o especialista, os Estados Unidos mascaram suas ações na luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia) com o terrorismo internacional. Antes lutaram em território iraquiano, e agora eles estão no território da Síria, onde ninguém os chamou.

    "Eles contam com algumas resoluções do Conselho de Segurança, sobre a necessidade de combater o terrorismo, mas, ao mesmo tempo, sabemos que [EUA] mantêm relações com grupos que são considerados terroristas", acrescentou o especialista.

    Outro especialista, chefe do Centro de Estudos Político-Militares do Instituto dos EUA e do Canadá, Vladimir Batyuk, tem certeza de que Washington está tentando por todos os meios deixar seus militares na região.

    "A própria presença de tropas americanas no território sírio sem o consentimento do governo legítimo deste país é uma violação grosseira do direito internacional. Os Estados Unidos estão fazendo todo o possível para, sob qualquer pretexto, manter sua presença militar neste país árabe", afirmou.

    Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, expressou preocupação em relação às ações norte-americanas na Síria e relembrou os recentes ataques aéreos da coalizão ocidental, durante os quais civis foram mortos.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia ressalta que "mantendo presença militar ilegal na Síria [sem objetivos concretos e tempo de perspectiva], Washington deixa escapar desinteresse em superar em breve a crise neste país".

    O presidente Vladimir Putin, em outubro de 2018, declarou que as regiões da Síria patrocinadas pelos EUA ainda enfrentam problemas. Segundo ele, os americanos confiam nas formações armadas curdas, mas não cumprem seu objetivo.

    Portanto, em várias localidades ainda existem representantes do Daesh ampliando sua presença.

    "Nosso posicionamento consiste em, depois de resolver uma série de questões, inclusive após a vitória final contra o terrorismo, retirar todas as tropas estrangeiras do território da Síria", concluiu Putin.

    Ao mesmo tempo, os Estados Unidos continuam sancionando a Rússia. Recentemente, os Estados Unidos acusaram empresas russas de ajudar no fornecimento de petróleo iraniano à Síria. EUA consideraram que Teerã gaste dinheiro recebido dessa maneira para financiar o Hamas e o Hezbollah.

    Omar Nashaba, editor do jornal Al-Akbar, disse em entrevista ao RT que o exército sírio continua operações militares com o apoio da Rússia e do Irã para destruir esta organização terrorista e seus grupos associados completamente, mas os EUA impõem sanções ilegais àqueles que lutam contra o Daesh.

    Mais:

    Operações israelenses na Síria impedem Irã de apoiar Hezbollah, diz general israelense
    EUA adotam sanções contra empresas russas e iranianas por vender petróleo para Síria
    Terroristas abandonam na Síria armazém com armas, inclusive de produção americana (VÍDEO)
    Tags:
    postos de observação, Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), Turquia, EUA, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik