19:44 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Xi Jinping, presidente da China

    China defende fronteiras palestinas de 1967

    © AP Photo / Markus Schreiber
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13294

    A China está pronta para contribuir com as negociações entre israelenses e palestinos, afirmou o presidente chinês Xi Jinping por comunicado nesta terça-feira (19).

    "O lado chinês vai promover as negociações entre israelenses e palestinos e continuar seu papel ativo na solução rápida e justa do problema palestino", disse Xi.

    A mensagem foi enviada ao presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, pela ocasião do 30º aniversário do estabelecimento de relações diplomáticas sino-palestinas.

    Xi observou que a China apoiou a justa causa da reconstrução nacional palestina e defendeu o estabelecimento de um Estado palestino independente dentro das fronteiras de 1967, com Jerusalém Oriental como sua capital. Ele também observou que a China atribuí a maior importância ao desenvolvimento de relações com a Palestina.

    Em sua mensagem de congratulações a Xi, Abbas elogiou o papel significativo e especial da China no apoio ao povo palestino.

    Por décadas, os palestinos buscam o reconhecimento diplomático de seu Estado independente nos territórios da Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental — que é parcialmente ocupada por Israel.

    O governo israelense se recusa a reconhecer a Palestina como uma entidade política e diplomática independente e continua a construir assentamentos nas áreas ocupadas, apesar das objeções da Organização das Nações Unidas (ONU).

    Mais:

    Resistência no 'quintal': Rússia e China minam domínio dos EUA na América Latina
    Partido Comunista da China quer se sentar à mesa com PSL de Bolsonaro em Pequim
    China segue exemplo da Rússia e realiza venda massiva de títulos do Tesouro estadunidenses
    Executivo sobre relações com a China: ‘Brasileiros decidirão o que é melhor para o país’
    Tags:
    Mahmoud Abbas, Xi Jinping, Palestina, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik