02:34 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado do Exército sírio carregando armamento ao norte da província síria de Latakia

    Forças Armadas sírias destroem munições deixadas pelos terroristas perto de Damasco

    © Sputnik / MORAD SAEED
    Oriente Médio e África
    URL curta
    171

    As Forças Armadas sírias destruíram um conjunto de munições descoberto próximo de Damasco após a libertação do território de militantes, afirmou o comandante da 166°unidade de sapadores, Ali Suleyman.

    Anteriormente o exército sírio havia encontrado no sul do país um grande armazém com armamentos dos terroristas. Os radicais, que operavam nas províncias de Daraa e Al-Qaryatayn, os tinham deixado quando abandonaram a área.

    "O território está cheio de minas improvisadas, colocadas pelos terroristas contra as tropas sírias. A maioria desses artefatos explosivos improvisados foi descoberta por soldados sírios nas estadas depois que o território foi libertado de militantes", disse Suleyman aos repórteres.

    Todos os engenhos explosivos encontrados nos subúrbios de Damasco estão sendo levados para um lugar de desativação perto da cidade.

    Alguns deles são usados para destruir os edifícios danificados pela guerra que não podem ser restaurados, disse ele.

    O conflito na Síria parece estar chegando ao fim; Damasco recuperou o controle sobre vastos territórios que antes eram controlados por grupos terroristas e rebeldes, tendo se iniciado o processo de reconstrução e de regresso dos refugiados.

    O primeiro posto de controle foi aberto em 25 de agosto de 2018, permitindo que os sírios descolados internamente voltem para suas casas.

    Mais:

    Lança-mísseis e helicópteros bombardeiros expulsam terroristas no sul da Síria (VÍDEOS)
    Exército sírio repele ataque dos terroristas no noroeste do país; há vítimas dos 2 lados
    Sem moderados: Terroristas da Al-Nusra unem militantes em ampla frente anti-Assad
    Tags:
    exército, minas, munição, forças armadas, terroristas, Damasco, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik