12:01 13 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis antiaéreos S-300 em competição internacional realizada como parte dos Jogos Internacionais do Exército 2016 no campo de treinamento russo de Ashuluk

    Israel é capaz de superar sistemas russos S-300 e S-400, afirma analista

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    291828

    O posicionamento dos sistemas antiaéreos S-300 russos na Síria não pôs fim às operações militares de Israel na região, afirmou à Sputnik o analista israelense Avigdor Eskin.

    "Israel é capaz de superar ambos os [sistemas] S-300 e S-400", disse o colunista e analista político israelense Avigdor Eskin à Sputnik Internacional. "De fato, a Força Aérea de Israel já o fez com sucesso várias vezes na Síria", acrescentou.

    Mesmo assim, segundo Eskin, Tel Aviv não tem intenções de prejudicar as relações com Moscou.

    "O assunto é mais político que militar. Israel não quer prejudicar as relações positivas e construtivas com Moscou. Não queremos demonstrar nossa superioridade muito avançada sobre a Força Aérea russa.Não temos nenhumas intenções de controlar a Síria e, por isso, sempre buscaremos um compromisso amigável com os russos", sublinhou Eskin. 

    Em outubro, Moscou entregou sistemas S-300 à Síria após o incidente com um avião Il-20 que foi abatido por uma bateria antiaérea S-200 síria. A Rússia responsabilizou pela derrubada os caças israelenses que naquele momento estavam realizando uma operação militar na Síria. 

    Segundo o Ministério da Defesa russo, os pilotos israelenses usaram o avião russo como cobertura, deixando-o sujeito ao fogo do sistema antiaéreo sírio. Do incidente resultou a morte de 15 militares russos.

    O comentário de Eski surge em meio aos relatos de que Israel teria treinado a neutralização dos sistemas russos S-300 durante seus recentes exercícios aéreos com a Grécia.

    Respondendo à pergunta se Israel busca frustrar as atividades militares de Moscou no Oriente Médio em geral e na Síria em particular, Eskin notou que Tel Aviv "está satisfeito com o que os russos estão fazendo na Síria".

    "O resultado geral desta guerra para nós é uma grande vitória de Israel. Como se sabe, a Síria nunca pôs fim ao estado de guerra de jure com Israel", comentou.

    A Síria e Israel tecnicamente permanecem em estado de guerra desde a criação do Estado de Israel em 1948, com Damasco fazendo parte do boicote da Liga Árabe a Israel.

    A questão é saber se Tel Aviv recorrerá a ataques diretos contra os S-300 na Síria.

    "Nunca diga nunca. Mas não há necessidade disso. Não vamos atingir nenhum alvo que esteja sob os auspícios do presidente [Bashar] Assad e forças leais a ele. Não há razão previsível para isso", concluiu o analista.

    Em outubro, o então ministro da Defesa de Israel, Avigdor Lieberman, declarou que o país continuaria a realizar operações aéreas contra o movimento Hezbollah e o Irã no território sírio, apesar da entrega dos S-300. No entanto, mais tarde a edição Al-Masdar News reportou que a Força Aérea de Israel não tem atacado a Síria depois que a Rússia entregou seus sistemas de defesa antiaérea ao exército da república árabe.

    Mais:

    EUA pretendem rejeitar resolução da ONU pedindo que Israel devolva Golã à Síria
    Projéteis palestinos fazem questionar eficácia da Cúpula de Ferro de Israel
    Tags:
    defesa antiaérea, operações militares, Il-20, S-400, S-300, Hezbollah, Avigdor Eskin, Irã, Síria, Israel, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik