00:33 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano com bomba de fósforo (foto de arquivo)

    Chancelaria russa: EUA renovam ataques aéreos intensos no leste do Eufrates

    CC0 /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    317

    Washington retomou os ataques aéreos maciços no leste do Eufrates, inclusive com uso de bombas de fósforo, disse hoje (15) durante uma coletiva semanal a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    "Os norte-americanos retomaram os ataques aéreos intensivos contra os povoados ocupados por terroristas na margem oriental do Eufrates, inclusive, segundo relatam os habitantes locais, usando munições de fósforo", assegurou a diplomata.

    Mais cedo, a agência SANA comunicou sobre o alegado uso de munições de fragmentação proibidas durante os ataques aéreos contra a cidade de Hajin e a povoação de al-Shaafa, na província de Deir ez-Zor. De acordo com as fontes da mídia, os ataques acarretaram mortes e feridos entre a população civil.

    As munições de fragmentação são proibidas mundialmente em conformidade com a respetiva convenção firmada por mais de 100 países. Porém, os EUA, a Rússia e uma série de outros países nunca aderiram ao documento.

    A imprensa síria relatou por muitas vezes sobre o uso de fósforo branco pela coalizão internacional liderada pelos EUA. Damasco inclusive apelou à ONU para empreender medidas contra os culpados e pôr fim à presença ilegal da coalizão no território sírio. O Pentágono afirmou na época que o país não desvenda o tipo de munições usadas na Síria, mas assegurou que estas correspondiam às normas internacionais.

    Mais:

    4 tipos de armas que inesperadamente acabaram nas mãos de terroristas na Síria
    Síria denuncia à ONU ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA
    Analista americano estima benefícios da operação militar na Síria para Rússia
    Tags:
    bomba de fragmentação, fósforo branco, ONU, EUA, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik