19:45 06 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Soldado norte-americano com bomba de fósforo (foto de arquivo)

    Chancelaria russa: EUA renovam ataques aéreos intensos no leste do Eufrates

    CC0 /
    Oriente Médio e África
    URL curta
    317
    Nos siga no

    Washington retomou os ataques aéreos maciços no leste do Eufrates, inclusive com uso de bombas de fósforo, disse hoje (15) durante uma coletiva semanal a representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova.

    "Os norte-americanos retomaram os ataques aéreos intensivos contra os povoados ocupados por terroristas na margem oriental do Eufrates, inclusive, segundo relatam os habitantes locais, usando munições de fósforo", assegurou a diplomata.

    Mais cedo, a agência SANA comunicou sobre o alegado uso de munições de fragmentação proibidas durante os ataques aéreos contra a cidade de Hajin e a povoação de al-Shaafa, na província de Deir ez-Zor. De acordo com as fontes da mídia, os ataques acarretaram mortes e feridos entre a população civil.

    As munições de fragmentação são proibidas mundialmente em conformidade com a respetiva convenção firmada por mais de 100 países. Porém, os EUA, a Rússia e uma série de outros países nunca aderiram ao documento.

    A imprensa síria relatou por muitas vezes sobre o uso de fósforo branco pela coalizão internacional liderada pelos EUA. Damasco inclusive apelou à ONU para empreender medidas contra os culpados e pôr fim à presença ilegal da coalizão no território sírio. O Pentágono afirmou na época que o país não desvenda o tipo de munições usadas na Síria, mas assegurou que estas correspondiam às normas internacionais.

    Mais:

    4 tipos de armas que inesperadamente acabaram nas mãos de terroristas na Síria
    Síria denuncia à ONU ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA
    Analista americano estima benefícios da operação militar na Síria para Rússia
    Tags:
    bomba de fragmentação, fósforo branco, ONU, EUA, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar