16:20 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente iraniano, Hassan Rouhani, chega à conferência de imprensa, Teerã, Irã, 17 de janeiro de 2016

    Rouhani: EUA são incapazes de reduzir exportações de petróleo iraniano a zero

    © AFP 2018 / ATTA KENARE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8170

    Os Estados Unidos são incapazes de reduzir as exportações de petróleo iraniano a zero, disse o presidente iraniano, Hassan Rouhani, neste sábado.

    "Os funcionários da República Islâmica do Irã dizem desde o primeiro dia [das sanções] que os americanos não são capazes de reduzir as exportações de petróleo do Irã a zero, mas [os EUA] repetiam isso, apesar de admitirem recentemente que não podem reduzir as exportações de petróleo do Irã a zero", disse Rouhani, segundo o seu site oficial.

    Ele acrescentou que o novo pacote de sanções contra o Irã não influenciou a economia do país, pois os Estados Unidos já usaram todas as "balas" e agora não tinham "nada de novo a oferecer".

    A primeira rodada das sanções contra o Irã foi restabelecida em agosto. O segundo pacote, incluindo restrições visando a indústria petrolífera do país, entrou em vigor no dia 5 de novembro.

    Os Estados Unidos procuram forçar todos os importadores de petróleo iraniano a reduzir suas importações a zero.

    No entanto, China, Grécia, Índia, Itália, Japão, Coréia do Sul, Taiwan e Turquia receberam isenções temporárias das sanções na importação de petróleo do Irã.

    De acordo com o Departamento de Estado dos EUA, as isenções permanecerão em vigor por 180 dias, sem extensões planejadas.

    Mais:

    Washington descarta aplicar opção militar contra Irã
    Mídia indica como Moscou está tirando vantagem das sanções americanas contra Irã
    Golpe no dólar: Irã e Coreia do Sul acordam comércio em suas moedas nacionais
    Trump: Isenções a sanções contra o Irã ajudam a controlar preço do petróleo
    Irã exibe novo sistema de defesa antimíssil e radar 3D durante manobras (FOTOS)
    'Temos guerra econômica entre EUA e Irã': especialista comenta últimas sanções
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik