07:20 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Militares do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI) marcham durante uma parada militar em homenagem à Guerra Irã-Iraque, de 1980-1988

    Washington descarta aplicar opção militar contra Irã

    © REUTERS / MORTEZA NIKOUBAZL
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14113

    O conselheiro de segurança nacional do presidente dos EUA, John Bolton, disse que o país não tem planos de realizar uma intervenção militar contra o Irã caso este saia do acordo nuclear celebrado no ano de 2015.

    "Não temos isso em nossos planos. O presidente não acredita que o Irã esteja planejando sair do acordo", disse o alto responsável oficial, durante uma coletiva, respondendo à pergunta se os EUA tinham uma opção militar em caso de saída iraniana do programa.

    O conselheiro também acrescentou não considerar que Teerã está atualmente cumprindo as cláusulas do acordo.

    "Considero que nós assistimos a provas convincentes… de que eles já saíram dos limites do acordo, em um certo sentido. Eu não descarto que eles o estejam violando de um modo que nós simplesmente não sabemos disso", opinou ele.

    O chamado acordo nuclear iraniano foi celebrado em 14 de julho de 2015 entre esse país e o P5+1, o grupo de países intermediários — Rússia, EUA, Reino Unido, China, França e Alemanha, e aboliu as sanções econômicas e financeiras impostas anteriormente contra o governo iraniano por parte do Conselho de Segurança da ONU, EUA e União Europeia.

    Em maio, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou a saída de Washington deste acordo, firmado no mandato do seu antecessor Obama, prometendo também restaurar todas as sanções, inclusive as secundárias, ou seja, as que abrangem os países que cooperarem com Teerã.

    Mais:

    'Temos guerra econômica entre EUA e Irã': especialista comenta últimas sanções
    Irã responde às sanções dos EUA com venda de petróleo na bolsa de valores
    Teerã: 'são EUA, e não Irã, que estão isolados'
    Tags:
    guerra, sanções, John Bolton, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik