11:11 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O ex-funcionário da NSA Edward Snowden

    Snowden: empresa de Israel rastreou jornalista saudita assassinado

    © AFP 2018 / Frederick Florin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8151

    O ex-funcionário Agência de Segurança Nacional (NSA) Edward Snowden acusou a empresa israelense NSO de vender uma "ferramenta de roubo digital" que é utilizada para perseguir jornalistas.

    "[A ferramenta] não é apenas usada para capturar criminosos e parar ataques terroristas… não apenas para salvar vidas, mas para ganhar dinheiro… um nível de imprudência… na verdade, começa a custar vidas", disse Snowden por videoconferência durante um evento em Tel-Aviv, segundo o site The Jerusalem Post

    Segundo o antigo funcionário da NSA, o equipamento da NSO foi utilizado para rastrear jornalistas mexicanos e Jamal Khashoggi — morto no dia 2 de outubro dentro do consulado da Arábia Saudita em Istambul, na Turquia.

    Snowden também criticou o poder de vigilância dos Estados e do Facebook. 

    "Vigilância não é sobre segurança. Vigilância é sobre controle". Já sobre a empresa de Mark Zuckerberg, afirmou: "O Facebook não se preocupa com você, seu país, sua política, o que acontece com você. O Facebook se preocupa com uma coisa: seus dados. Eles são pessoas da vigilância. Seu produto é você, a história de sua vida e a vida de seus vizinhos".

    Por meio de nota, a NSO afirmou que seus produtos "são vendidos a funcionários governamentais com o único propósito de investigar e prevenir crimes e terrorismo".

    Mais:

    Rússia nunca conversou com a administração Trump sobre extradição de Snowden, diz ministro
    Snowden: ninguém no mundo gosta tanto de Putin quanto Trump
    Espancamento de mulher grávida e estupro de homem: Snowden expõe mais torturas de Haspel
    Snowden revela como inteligência dos EUA espia usuários de criptomoedas
    Diretora da CIA pode ser presa se pisar na União Europeia, diz Snowden
    Tags:
    Edward Snowden, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik