01:20 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Petroleiro iraniano Sanchi em chamas, janeiro de 2018

    Banco fechado e petroleiro afundado ficam na lista de sanções anti-iranianas dos EUA

    © AP Photo / China's Ministry of Transport
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11210

    Os EUA sancionaram um banco que não existe hoje em dia, e uma embarcação que tinha naufragado, escreveu em sua conta no Twitter o chanceler iraniano, Javad Zarif.

    De acordo com ele, Washington desesperadamente tenta ampliar a lista das sanções. Como resultado, os EUA "incluíram um banco que foi fechado há seis anos, bem como uma embarcação que se afundou no ano passado", assinalou o ministro. 

    Ele apontou que o último vinculava na mídia por todo o mundo. Zarif acompanhou a publicação com o hashtag "EUA no isolamento". 

    Trata-se do petroleiro Sanchi que se afundou em janeiro de 2018, e do banco Tat, fechado em 2012. 

    O representante do Departamento do Estado dos EUA se recusou a comentar as informações. De acordo com ele, os EUA não estão dispostos a reagir a cada afirmação pública feita pelo lado iraniano. 

    Nesta segunda-feira (5), Washington reintroduziu as sanções contra o Irã que existiram antes da assinatura do Plano de Ação Conjunto Global. A lista das sanções conta com mais de 700 indivíduos, organizações, aviões e navios iranianos, inclusive 14 bancos. Como o motivo da medida, Washington aponta alegado apoio do terrorismo por Teerã. 

    O petroleiro iraniano Sanchi, com um carregamento de 136.000 toneladas de condensado de gás natural, naufragou no dia 16 de janeiro no mar do Sul da China, a cerca de 300 quilômetros ao leste do estuário do rio Yangtze. 

    Mais:

    Moscou: sanções dos EUA contra Irã são 'absolutamente ilegítimas'
    Irã cobra da ONU responsabilização dos EUA por sanções
    Sanções americanas contra Irã entram em vigor mas Teerã promete 'contorná-las com orgulho'
    Tags:
    banco, petroleiro, sanções, Mohammad Javad Zarif, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik