10:34 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira LGBT

    Intolerância: Tanzânia lança esquadrão anti-gay para 'caçar comunidade LGBT'

    © AP Photo / Esteban Felix
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9103

    A comunidade gay da Tanzânia está em pânico depois que o governo de Dar es Salaam pediu aos cidadãos que denunciem os homossexuais e anunciou um esquadrão anti-gay que os perseguirá, rastreando as mídias sociais.

    O líder do país, Paul Makonda, anunciou a equipe de 17 membros em uma coletiva de imprensa nesta semana, prometendo que iria "colocar as mãos neles".

    "Esses homossexuais se orgulham de redes sociais", disse Makonda, segundo informações da Agência AFP. "Me dê seus nomes", acrescentou.

    Na última terça-feira, Makonda afirmou ter recebido mais de 5.763 denúncias da população e mais de 100 nomes.

    A Lei de Disposições Especiais de Ofensas Sexuais de 1998 da Tanzânia afirma que a homossexualidade é ilegal e qualquer pessoa que tenha "contato carnal de qualquer pessoa contra a ordem da natureza" é punível com 30 anos de prisão.

    Tal legislação é baseada no Código Penal de 1945 criado sob o domínio britânico, que também considerou a homossexualidade contra a lei.

    O presidente da Tanzânia, John Magufuli, reprimiu a comunidade LGBT desde sua eleição em 2015, chegando a alegar que "até vacas desaprovam" a homossexualidade.

    Em 2017, 40 centros de testagem e tratamento de HIV foram fechados e vários advogados e ativistas foram presos por "promover a sexualidade".

    O país também promove exames anais forçados. A prática desacreditada, que afirma detectar a homossexualidade, foi condenada por grupos de direitos humanos.

    Mais:

    #Eleições2018: pastor de esquerda e gay de direita contam o motivo de seus votos
    Áustria nega asilo a jovem afegão que afirmou sofrer perseguição por ser gay
    'Você é gay e Deus te ama assim', diz Papa Francisco a homem abusado por padre chileno
    Tags:
    violência, direitos humanos, gays, LGBT, lgbtfobia, homofobia, John Magufuli, Paul Makonda, Dar es Salaam, Tanzânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik