15:43 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Mattis

    Mattis diz que Assad terá que ser 'tirado do poder' eventualmente

    © AP Photo/ Carolyn Kaster
    Oriente Médio e África
    URL curta
    21319

    O presidente da Síria, Bashar Assad, terá que ser "tirado do poder" porque perdeu credibilidade, disse o secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, durante uma discussão no Instituto de Paz dos EUA, em Washington.

    "Nós vemos a razão pela qual acredito que eventualmente Assad terá que ser retirado do poder", disse Mattis nesta terça-feira (30).

    "Não creio que qualquer eleição realizada sob os auspícios do regime sírio tenha qualquer credibilidade com o povo sírio ou com a comunidade internacional", acrescentou.

    Os Estados Unidos estão comprometidos em apoiar as forças locais na Síria e encontrar o acordo através do processo de Genebra, acrescentou Mattis.

    Ele também criticou os esforços da Rússia para garantir a paz na Síria, afirmando que eles "não produziram nada que valha a pena".

    A Rússia afirmou repetidamente que o destino do líder sírio em exercício deve ser decidido exclusivamente pelo povo sírio. Ao mesmo tempo, muitos oficiais ocidentais, especialmente os norte-americanos, insistiram em uma renúncia de Assad, chamando-a de pré-condição principal para o assentamento sírio.

    Em meados de setembro, o ministro das Relações Exteriores da Alemanha, Heiko Maas, anunciou que o governo alemão não poderia imaginar uma solução política de longo prazo com Assad permanecendo no poder. No entanto, Maas não acredita que a saída de Assad seja um pré-requisito obrigatório para a participação da Alemanha na reconstrução do país.

    Mais:

    Israel está em ofensiva na Síria desde derrubada de avião russo, afirma general
    Turquia iniciará em breve operação de grande escala contra curdos na Síria
    Imprensa: aviação da coalizão dos EUA ataca cidade síria com uso de fósforo branco
    Mídia: Canadá acolhe 117 membros de Capacetes Brancos evacuados da Síria
    Tags:
    Guerra da Síria, ONU, James Mattis, Heiko Maas, Rússia, Estados Unidos, Alemanha, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik