09:50 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Porto de Misrata, na região de Tripolitânia, na Líbia (arquivo)

    Estatal de petróleo da Líbia demanda aumento salarial de 67%

    © AFP 2018 / MAHMUD TURKIA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 10

    O presidente da estatal petrolífera da Líbia, a National Oil Corp (NOC), pediu ao Banco Central que aumente os salários dos petroleiros em 67% em 2019, disse um comunicado divulgado nesta terça-feira (30).

    O país do norte da África aprovou em 2013 tal aumento salarial — mas ele nunca foi implementado já que o caos da Líbia se acelerou. O país terminou dividido entre em dois governos no ano seguinte e com bloqueios e protestos prejudicando a produção.

    O presidente da NOC, Mustafa Sanalla, também solicitou ao Banco Central, que administra as receitas de petróleo e gás da Líbia na ausência de um governo e parlamento com alcance nacional, faça alocações orçamentárias adicionais para a companhia reparar instalações.

    Sanalla disse que o aumento salarial é justificado com base no recente aumento da produção de petróleo para 1,35 milhão de barris por dia, o nível mais alto desde meados de 2013, quando uma onda de protestos e bloqueios por grupos armados e funcionários começou.

    Houve pequenos protestos em relação a salários e condições de trabalho em várias instalações nas últimas semanas. A situação mais volátil está no campo de petróleo El Sharara, no sul.

    Trabalhadores, como muitos líbios, têm sofrido com a alta inflação causada pela queda do valor do dinar líbio que tornou as importações de alimentos mais caras.

    Mais:

    Mídia: inteligência britânica acusa Putin de 'querer transformar Líbia em nova Síria'
    'Líbia se tornou um reduto terrorista', diz vice-ministro de Relações Exteriores da Rússia
    Rússia e França examinam situação de Síria, Líbia e Iêmen
    Rússia pode ter papel crucial na reconstrução da Líbia, diz político
    Mísseis são lançados sobre aeroporto na Líbia
    Tags:
    Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik