15:48 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ataque aéreo da coalizão internacional na Síria (foto de arquivo)

    Mídia: coalizão dos EUA volta a atacar província síria de Deir ez-Zor

    © AP Photo / Bram Janssen
    Oriente Médio e África
    URL curta
    309

    O bombardeio aéreo se segue a uma série de ataques à província síria de Deir ez-Zor, realizados neste mês pelas forças da coalizão. Os ataques anteriores na área levaram o governo sírio a dirigir-se à ONU para resolver a questão, tendo havido relatos sobre uso de fósforo branco, proibido pelas normais internacionais.

    A coalizão internacional encabeçada pelos EUA levou a cabo ataques aéreos contra a província de Deir ez-Zor, noticiou nesta terça-feira (30) o canal Al Mayadeen TV através de sua conta oficial no Twitter.

    Ofensiva da Turquia na Síria (foto de arquivo)
    © REUTERS / Assessoria de Imprensa das Forças Revolucionárias da Síria
    Ontem (29), a agência estatal síria SANA, citando fontes locais, comunicou que a coalizão liderada pelos EUA atacou a cidade síria de Hajin com utilização de fósforo branco.

    As informações sobre o ataque da coalizão vêm depois de outro ataque ao povoado de Al-Sousse, situado na parte do sul da província de Deir ez-Zor, que teria matado 5 civis, entre eles dois menores de idade.

    Anteriormente neste mês, em uma carta à ONU Damasco acusou a coalizão dos EUA de ter violado o direito internacional e matado civis, reforçando que os EUA na verdade não estão lutando contra o terrorismo. O Ministério das Relações Exteriores sírio apelou à ONU para que investigasse o ataque aéreo da coalizão que teve lugar em Deir ez-Zor e teria matado 62 pessoas.

    Desde 2014, os EUA e seus aliados estão levando a cabo uma operação na Síria e no Iraque contra a organização Daesh (proibida na Rússia e em vários outros países), entretanto no território sírio as forças da coalizão estão operando sem permissão de Damasco.

    Tags:
    coalizão, ataque, Deir ez-Zor, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik