15:43 16 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Jamal Khashoggi

    Sauditas reconhecem assassinato de jornalista desaparecido e culpam briga com 'terceiros'

    © AP Photo/ Hasan Jamali
    Oriente Médio e África
    URL curta
    607

    A Arábia Saudita reconheceu pela primeira vez que o jornalista Jamal Khashoggi, severo crítico do sistema de governo em Riad, foi de fato assassinado dentro do consulado saudita em Istambul no dia 2 de outubro. De acordo com o promotor que atua no caso, Jamal teria "entrado em uma briga com outras pessoas no consultado, o que o levou à morte".

    A Promotoria também afirmou ter detido 18 cidadãos sauditas em conexão com as investigações em andamento. A imprensa estatal saudita também anunciou que o general Ahmed Al-Assiri, assessor do príncipe herdeiro Mohammad bin Salman e oficial de alto escalão na diretoria geral de inteligência da Monarquia, foi demitido de seu posto pela suspeita de participação na morte de Khashoggi. 

    Saud al-Qahtani, um conselheiro de mídia da Corte real, também foi deposto. De acordo com o The Washington Post, Qahtani era o principal responsável por melhorar a imagem do príncipe herdeiro nas reportagens de imprensa no exterior, além de atuar diretamente com a repressão da dissidência saudita.

    O relatório publicado pelos sauditas indica ainda que o rei saudita Salman ordenou a formação de um comitê ministerial, com o príncipe herdeiro Mohammad bin Salman na chefia, que vai reestruturar a agência de inteligência do país.

    Khashoggi visitou o consulado saudita no dia 2 de outubro para obter documentos necessários para se casar. Após semanas de especulações e relatos generalizados de que ele havia sido morto ou raptado, esta é a primeira confirmação da morte do jornalista. A Turquia alega ter gravações e provas documentais de tortura seguida de assassinato e desmembramento do colunista, com anuência de autoridades diplomáticas e sob ordens de Riad.


    Tags:
    assassinato, The Washington Post, Saud al-Qahtani, Ahmed Al-Assiri, Jamal Khashoggi, Mohammed bin Salman, Salman bin Abdulaziz Al Saud, Riade, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik