04:25 18 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados israelenses caminham em direção ao norte da Faixa de Gaza

    Israel avalia realizar mais uma operação militar em Gaza

    © AP Photo / Neil Cohen
    Oriente Médio e África
    URL curta
    227

    Depois que um foguete proveniente da Faixa de Gaza atingiu um prédio na cidade de Be'er Sheva, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, o ministro da Defesa Avigdor Liberman e outros ministros de segurança discutiram a possibilidade de uma resposta militar.

    Liberman supostamente tentou convencer o gabinete a prosseguir com uma operação militar para evitar mais agressões de Gaza, informou o jornal Jerusalem Post. Ele foi apoiado por Netanyahu, que disse: "Se esses ataques não pararem, nós os impediremos".

    Mas as opiniões sobre a necessidade de ação militar foram divididas. O comissário de polícia Roni Alsheich disse, em um discurso na quarta-feira, que o establishment de defesa de Israel não quer que o conflito entre Israel e o Hamas se intensifique.

    "O establishment de segurança não vê qualquer motivação para criar uma escalada na Faixa de Gaza. Os eventos lá são complexos o suficiente, a complexidade dos atores é grande o suficiente para que tenhamos alguns eventos como os que tivemos ontem à noite ", disse ele.

    No entanto, o gabinete também concordou com a possibilidade de uma operação aérea limitada. "Israel vê com extrema gravidade os ataques contra o país [na fronteira sul], na área adjacente à Faixa de Gaza, em Be'er Sheva — e em todos os lugares", disse Netanyahu após a reunião, observando que "Israel tomará ações muito vigorosas".

    Enquanto isso, Nickolay Mladenov, Coordenador Especial da ONU para o Processo de Paz no Oriente Médio, realizou uma reunião especial com o presidente israelense Reuven Rivlin para discutir a situação de Gaza. Ele observou que é crucial, nos próximos dias, estabilizar a situação na região e disse que se dirigirá ao Conselho de Segurança da ONU em Nova York na quinta-feira, durante sua reunião mensal sobre Oriente Médio.

    "Precisamos ter certeza de que nas próximas 48 horas realmente veremos uma desescalada na área para que esses esforços possam continuar no interesse da paz entre israelenses e palestinos e no interesse da paz em toda a região. Receio que não haja mais tempo para palavras. Agora é a hora das ações", disse Mladenov.

    As Forças de Defesa de Israel disseram ter atingido 20 "alvos militares" na Faixa de Gaza em resposta ao bombardeio de foguetes na manhã de quarta-feira. No início desta semana, o ministro da Defesa israelense afirmou que apenas "um golpe sério" contra o Hamas acabaria com a violência na fronteira de Gaza e resolveria o conflito com a Palestina, que já dura décadas. A Palestina busca o reconhecimento diplomático de um estado independente que incorpore Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

    Mais:

    Exército israelense registra lançamento de míssil da Faixa de Gaza
    UE pede investigação em assassinatos recentes de civis na Faixa de Gaza
    Israel corta o limite da zona de pesca de Gaza em meio a confrontos de manifestantes
    Primeiro-ministro israelense acusa autoridade nacional palestina de 'sufocar' Gaza
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik