21:57 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    President Donald Trump shows a chart highlighting arms sales to Saudi Arabia during a meeting with Saudi Crown Prince Mohammed bin Salman in the Oval Office of the White House, Tuesday, March 20, 2018, in Washington

    Trump promete 'punição severa' se Arábia Saudita estiver por trás da morte de jornalista

    © AP Photo / Evan Vucci
    Oriente Médio e África
    URL curta
    641

    A Arábia Saudita enfrentará "severa punição" se ordenou o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, do jornal estadunidense The Washington Post, alertou o presidente dos EUA, Donald Trump.

    "Há muito em jogo, e talvez especialmente porque esse homem era um repórter. Há algo realmente terrível e repugnante sobre isso, se esse fosse o caso […] nós vamos chegar ao fundo disso e haverá severas punição", disse Trump durante uma entrevista com o programa 60 Minutos, da CBS, na sexta-feira.

    No entanto, Trump ressaltou que, mesmo que o jornalista tenha sido morto pelas mãos de Riad, ele ainda não colocaria um ponto final no acordo de armas entre os dois países.

    "Eles estão encomendando equipamentos militares; todos no mundo queriam essa ordem. A Rússia queria isso, a China queria, nós queríamos — nós conseguimos. E conseguimos tudo isso, tudo", afirmou.

    Trump passou a dizer que ele não quer "perder uma ordem" ou ferir empregos, e que há "outras maneiras de punir" Riad, se necessário.

    Khashoggi, crítico do príncipe herdeiro Mohammed bin Salman e da família real saudita, foi visto pela última vez em 2 de outubro, quando entrou no consulado saudita em Istambul para obter documentos para o seu casamento.

    Autoridades turcas afirmaram acreditar que um "esquadrão de assassinato" saudita de 15 pessoas matou Khashoggi no consulado. Ancara diz que tem evidências de vídeo e áudio de que ele foi assassinado dentro do prédio, embora essa informação não tenha sido apresentada publicamente.

    Uma investigação sobre seu desaparecimento pela Turquia teria revelado que gravações feitas em seu Apple Watch, que estava pareado com seu iPhone que sua noiva estava carregando fora do consulado indicam que ele foi torturado e morto, disse o jornal turco Daily Sabah neste sábado, citando "fontes confiáveis em um departamento de inteligência especial".

    O jornal também afirmou que agentes da inteligência saudita perceberam, após a morte de Khashoggi, que o relógio estava gravando, levando-os a usar sua impressão digital para desbloqueá-lo. Eles supostamente deletaram alguns arquivos, mas não todos eles.

    Riad negou as acusações de que ordenou a morte de Khashoggi, com o ministro do Interior do país, o príncipe Abdulaziz bin Saud bin Naif, condenando as "mentiras e alegações infundadas" contra o reino.

    Mais:

    Turquia acusa sauditas de não cooperarem em investigação do desaparecimento de jornalista
    Príncipe saudita e assessor de Trump descobrem o 'terrível segredo' de Putin
    Príncipe herdeiro saudita diz que Riad não vai pagar aos EUA por segurança
    Tags:
    diplomacia, relações bilaterais, morte, assassinato, The Washignton Post, Abdulaziz bin Saud bin Naif, Jamal Khashoggi, Mohammed bin Salman, Donald Trump, Turquia, Arábia Saudita, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik