15:51 15 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira de Israel

    Oriente Médio inteiro deve ser como Israel, afirma secretário dos EUA

    © Sputnik / Vladimir Astapkovich
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1135

    Israel é tudo o que os Estados Unidos desejam que o Oriente Médio seja, disse em um discurso o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, enquanto atacava a abordagem do governo do democrata Barack Obama em relação ao Irã como se assemelhasse a um "filme da Disney".

    Falando no jantar anual do Instituto Judaico para a Segurança Nacional da América (Jinsa) em Washington na quarta-feira, Pompeo argumentou que Israel "é democrático e próspero, deseja a paz, é lar de uma imprensa livre e de uma economia próspera".

    "Tudo o que queremos que todo o Oriente Médio pareça daqui para frente", declarou.

    Enquanto isso, o inimigo número 1 de Israel, o Irã, tem "líderes corruptos" que "atacam os direitos humanos de seu próprio povo e financiam o terrorismo em todos os cantos do Oriente Médio", segundo Pompeo.

    O secretário dos EUA passou a golpear habitualmente o governo Obama por tentar resolver problemas com o Irã pacificamente.

    "O presidente Obama pensou que, se fizesse concessões perigosas, removesse sanções econômicas e levasse um avião cheio de dinheiro para Teerã, poderia de alguma forma fazer com que os líderes iranianos se comportassem bem […] mas esses líderes não são de um filme da Disney", disse Pompeo.

    Ele próprio passou a pintar os líderes iranianos como vilões do cinema: "Eles são reais. Eles são assassinos e financiadores do terrorismo que lideram os cânticos de hoje, ainda, de 'Morte à América'".

    Depois de décadas de presidentes americanos pelo menos mantendo a fachada de corretores honestos entre Israel e seus vizinhos árabes, o governo de Donald Trump foi para o lado de Israel. A embaixada dos EUA foi transferida de Tel Aviv para Jerusalém, reconhecendo a reivindicação de Israel à cidade em violação às resoluções da ONU e ao ultraje da maior parte do mundo muçulmano.

    Washington também cortou fundos para agências da ONU encarregadas de ajudar os deslocados palestinos, bem como ajuda direta à Autoridade Palestina e à faixa de Gaza. Enquanto isso, as forças israelenses mataram quase 200 e feriram mais de 20 mil palestinos que protestavam ao longo da fronteira de Gaza desde março.

    Além de seu apoio sem remorso a Israel, os EUA sob Trump transformaram a hostilidade aberta com o Irã. Em março, Trump deixou o acordo nuclear de 2015 negociado pelo governo Obama — e elogiado como eficaz por todos os outros signatários — e reimpôs uma ampla gama de sanções contra Teerã. Diplomatas americanos chegaram a ponto de ameaçar outros países, que ousam fazer negócios com o Irã, de que seriam punidos por fazê-lo.

    Mais:

    O dia em que a Força Aérea norte-coreana combateu EUA e Israel mesmo em desvantagem
    Israel inspecionará caças F-35I após acidente com F-35B na Carolina do Sul
    Reconhecimento ou estratégia: por que Israel 'testa' mísseis S-300 a partir do Líbano?
    Tags:
    palestinos, judeus, relações bilaterais, diplomacia, Instituto Judaico para a Segurança Nacional da América (Jinsa), Barack Obama, Donald Trump, Mike Pompeo, Oriente Médio, Irã, Israel, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik