05:26 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira nacional israelense próxima a unidades de alojamento novas no estabelecimento judaico de Shilo na Cisjordânia palestina.

    Ex-premiê: Israel e Palestina precisam de um plano próprio ao invés de intervenção externa

    © AFP 2018 / Ahmad Gharabli
    Oriente Médio e África
    URL curta
    202

    Os israelenses e palestinos precisam se sentar e elaborar um plano de paz em vez de aceitar o proposto por qualquer país "de fora", disse o ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert à Sputnik.

    "Não acho que precisamos de um plano de paz que venha de fora. Por que nós, em Israel, precisamos que os Estados Unidos nos proponham o acordo com os palestinos? Por que os palestinos precisam que os EUA proponham um acordo para os palestinos? Podemos fazê-lo e eles podem fazê-lo, e a melhor maneira é sentar e trabalhar juntos", disse Olmert.

    Ele saudou a intenção dos Estados Unidos de trazer a paz para a região, mas observou que Israel e a Palestina considerariam a mediação apenas se não conseguissem criar suas próprias iniciativas de paz.

    "Minha prioridade é que Israel apresente seu próprio plano, que seria o acordo do século, e pedirá aos palestinos que cheguem à mesa com base nesse plano. Se o governo israelense, por qualquer razão, se abster de propor sua própria iniciativa, espero que os americanos seja atraente o suficiente para que ambos os lados possam se sentar juntos", enfatizou.

    O político lembrou que ele próprio realizou várias negociações com o líder palestino, Mahmoud Abbas, e que "estavam a milímetros de distância" de um acordo abrangente sobre a solução do conflito há nove anos.

    "Mas para sentar com eles [novamente] precisamos de uma plataforma, precisamos de um plano. Ou um plano palestino ou um plano israelense. Se não houver tal plano, teremos um plano americano", argumentou ele..

    Olmert também expressou confiança de que, se Moscou propusesse o plano de paz, este seria exaustivamente examinado e enfatizaria suas boas relações com o presidente russo, Vladimir Putin.

    "E se [Putin] concordar em apresentar um plano, eu prometo a você, mesmo que eu não possa falar pelo governo, tenho certeza de que o governo israelense vai investigar isso da maneira mais séria e vamos tentar ver se pode ser útil", ele apontou.

    Em setembro, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, disse que o aguardado plano de paz do governo do presidente Donald Trump para Israel e Palestina seria concluído em breve.

    Trump há muito prometeu tomar medidas para resolver o conflito de longa data entre Israel e a Palestina. O Conselheiro Sênior da Casa Branca, Jared Kushner e o representante especial para negociações internacionais, Jason Greenblatt, têm trabalhado para elaborar um plano dos EUA que possa trazer paz à região.

    O processo de solução para o Oriente Médio foi atingido em dezembro passado, quando os Estados Unidos decidiram reconhecer Jerusalém como a capital de Israel. O movimento foi condenado pelos estados árabes e foi rejeitado pelas nações europeias. A Palestina respondeu recusando-se a aceitar os Estados Unidos como principal mediador nas negociações de paz com Israel.

    Política russa sobre a Síria

    Olmert também observou que Israel não tem intenção de desafiar a posição da Rússia sobre a Síria, mas continuará resistindo a qualquer presença militar iraniana na república árabe.

    "A Rússia deve entender que não questionamos o direito da Rússia de estabelecer quaisquer relações com a Síria. Nós insistimos que não haveria exércitos estrangeiros formalmente e publicamente comprometidos para lutar contra Israel — que são os iranianos. E quando isso acontece na Síria não temos escolha a não ser agir, e vamos agir", disse Olmert.

    Ao mesmo tempo, ele expressou confiança de que Moscou também não sente nenhuma hostilidade em relação a Israel.

    "Eu não acho que o presidente [russo] Putin seja hostil a Israel e eu não acho que ele participará de qualquer tentativa de colocar em risco a segurança do Estado de Israel. Ele me prometeu uma vez quando trabalhávamos juntos, ele nunca dará uma mão para pôr em risco a segurança do Estado de Israel, e eu confio nele ", observou o ex-primeiro-ministro israelense.

    Ele ressaltou que a posição de princípio de Israel era impedir que Teerã estabelecesse sua presença militar permanente na Síria e expressou insatisfação por a Rússia ter supostamente tomado esforços insuficientes para facilitar a retirada das forças iranianas.

    "Isso deve ficar claro: não permitiremos que os iranianos estabeleçam sua presença militar permanente na Síria. Isso não acontecerá e espero que o Presidente Putin esteja ciente disso e tome as medidas necessárias para evitar quaisquer hostilidades desnecessárias como um todo", disse Olmert.

    De acordo com Olmert, a retirada das forças iranianas teria permitido que as forças israelenses e russas evitassem incidentes desnecessários no território sírio.

    Em setembro, as relações russo-israelenses foram prejudicadas pela queda de um avião russo Il-20 na costa da Síria. O Ministério da Defesa da Rússia culpou a Força Aérea de Israel que estava realizando ataques aéreos na província síria de Latakia no momento do incidente.

    De acordo com o ministério, os jatos israelenses usaram o Il-20 como um escudo contra os sistemas de defesa aérea síria e Israel notificou a Rússia de sua operação apenas um minuto antes do ataque e também não conseguiu provar uma localização precisa de seus jatos. Como resultado, o avião foi abatido por um míssil lançado pelo S-200 da Defesa Aérea da Síria.

    Tags:
    Il-20, Casa Branca, Força Aérea de Israel, Ministério da Defesa (Rússia), Jason Greenblatt, Jared Kushner, Nikki Haley, Donald Trump, Ehud Olmert, Vladimir Putin, Latakia, Estados Unidos, Palestina, Oriente Médio, Síria, Jerusalém, Moscou, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik