16:30 16 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente russo, Vladimir Putin, encontrou o presidente sírio, Bashar Assad, no Kremlin

    Assad explica razão da 'histeria' do Ocidente em torno de Idlib

    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4391

    O presidente sírio Bashar Assad explicou a "histeria" do Ocidente em relação à situação na província de Idlib.

    Segundo o líder, citado pela agência SANA, o resultado do combate pela província, que agora é controlada por vários grupos radicais, tem uma importância vital para os países ocidentais.

    Assad acredita que a vitória das forças governamentais sírias nesta luta estragará os planos do Ocidente quanto à Síria.

    O presidente comentou também o acordo firmado entre a Rússia e a Turquia sobre a criação de uma zona desmilitarizada na província. Assad sublinhou que o acordo que permitiu evitar o derramamento de sangue, é uma medida temporária.

    "Esta província, tal como as outras que permanecem sob o domínio dos terroristas, voltará a ser controlada pelo governo", disse ele, citado pela SANA.

    Situação em Idlib

    Em meados de setembro, os presidentes russo e turco, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, concordaram em criar uma zona desmilitarizada em Idlib, permitindo evitar uma ofensiva militar na província.
    Em Idlib permanecem militantes da oposição armada e terroristas de vários grupos radicais que atacam regularmente o exército sírio.

    Os países ocidentais se mostram contra uma operação militar na província, ignorando o fato de Idlib ser o último bastião de terroristas no país árabe, fato para o qual a Rússia e outros países têm chamado a atenção.

    Mais:

    Washington poderá fornecer mais caças F-35 a Israel para neutralizar S-300 na Síria
    Rússia envia forte sinal para EUA e OTAN ao implantar S-300 na Síria, acredita politólogo
    Tags:
    histeria, exército sírio, combate, terroristas, Turquia, Rússia, Ocidente, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik