05:27 22 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Sistema de mísseis antiaéreos S-300 durante a competição internacional Keys to the Sky realizada como parte dos Jogos Internacionais do Exército - 2016 no campo de treinamento de Ashuluk.

    Forças de Defesa de Israel são capazes de derrotar S-300 russos na Síria, diz ministro

    © Sputnik / Kirill Kallinikov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    351436

    O ministro israelense da Cooperação Regional, Tzachi Hanegbi, declarou que o Exército de Israel é capaz de derrubar os sistemas de mísseis S-300 entregues pela Rússia à Síria, enfatizando ainda que os S-300 não significam uma ameaça para Israel.

    Hanegbi afirmou ainda, em entrevista a uma emissora de rádio local, que nenhum sistema de mísseis será capaz de restringir a capacidade do exército israelense, pois o país "[…] possui aviões invisíveis aos radares e que, possuindo os melhores aviões do mundo, os sistemas de mísseis não serão capazes de detectá-los".

    Durante sua declaração, o ministro fez uma ameaça ao assegurar que "[…] Israel já foi forçado a destruir sistemas de mísseis da Síria há poucos meses e espera não ser desafiado novamente no futuro".

    Por sua vez, o ministro da Defesa da Rússia, Sergei Shoigu, declarou que a entrega dos mísseis russos S-300 a Damasco foi uma decisão tomada após a derrubada do avião russo Il-20, segundo informa a Reuters.

    A Rússia responsabilizou Israel pelo ocorrido, assegurando entretanto que a entrega dos mísseis não é direcionada contra Israel, pois a Rússia o considera um "país parceiro", sendo uma medida que visa a estabilização da região e a proteção dos militares russos.

    Mais:

    Israel exigirá novas armas dos EUA em resposta aos S-300 na Síria, prevê analista
    Ministério: Israel não aprecia S-300 na Síria, mas não pode cessar operações militares ali
    Jornal sírio: sistemas S-300 são uma 'correia' para Israel
    Tags:
    exército israelense, aviões de combate, sistema de mísseis, Defesa, S-300, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik