09:12 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Vários tipos de amuletos para trazer sorte e proteção

    Feiticeiros e videntes lucram com medo do povo sírio (FOTOS)

    © Sputnik / Fedaa Shahin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    232

    Desde o começo da guerra em várias regiões da Síria, diferentes tipos de feiticeiros, cartomantes, videntes e astrólogos tornaram-se ativos para lucrar com o medo do povo sírio.

    Em geral, são pessoas que querem saber o destino dos desaparecidos e receber o amuleto.

    Um dos feiticeiros disse à Sputnik Árabe que pratica diversos tipos de magia tradicional em relação à saúde, negócios e feitiços de amor. As mulheres de maneira antiga usam poção na comida. É possível encontrar a fórmula certa e a receita do pó mágico em diferentes livros vendidos praticamente em todas as lojas. 

    • Hijab, um talismã protetor popular
      Hijab, um talismã protetor popular
      © Sputnik / Fedaa Shahin
    • Livro de magia e feitiçaria
      Livro de magia e feitiçaria
      © Sputnik / Fedaa Shahin
    • Amuletos de magia para sorte e proteção
      Amuletos de magia para sorte e proteção
      © Sputnik / Fedaa Shahin
    • Livros de magia vendidos na Síria
      Livros de magia vendidos na Síria
      © Sputnik / Fedaa Shahin
    1 / 4
    © Sputnik / Fedaa Shahin
    Hijab, um talismã protetor popular

    O dono de uma das livrarias de Damasco, sob o nome condicional de Mohammed, disse à Sputnik Árabe que "não há censura à literatura esotérica. Esses livros deveriam ser proibidos para publicação, mas na realidade são impressos em grandes quantidades, e então mulheres e adolescentes os compram em série. Por isso que surgem muitos videntes em todo o país".

    Os feiticeiros convencem as pessoas crédulas que existe uma diferença entre magia negra e branca e que apenas a negra pode prejudicar uma pessoa. É a partir dessa feitiçaria que uma pessoa é acometida por sofrimento, pesadelos, doença e ansiedade. Também há a magia branca, que proporciona luz e ajuda as pessoas de todas as formas possíveis, e a "magia vermelha" – a antiga herança dos ancestrais.

    O padre Spiridon Fayad, doutor em ciências teológicas da Universidade Aristóteles de Salonica, comentou que as feitiçarias negra, vermelha e branca têm a mesma natureza e não se pode recorrer a nenhuma delas. Todas são oriundas de espíritos maléficos e não trazem o bem. Primeiramente, uma pessoa que está em circunstâncias muito desconfortáveis como em um campo de refugiados em outro país, receberá algum tipo de conforto ao saber sobre seu futuro destino. Mas, através de um apelo às feiticeiras, essa pessoa se afasta de Deus e se entrega nas mãos dos demônios. Por isso, como resultado, a sua condição e posição se deterioram significativamente. Além disso, ela também pagará dinheiro por tudo isso e, às vezes, uma quantia considerável – portanto, há perdas consistentes. 

    "Se uma pessoa continua praticando bruxaria, ela é excomungada da igreja", alertou o padre.

    Zakaria al-Khauli, chefe do departamento de aconselhamento do Ministério de Waqf e Assuntos Islâmicos da Síria, salientou à Sputnik Árabe que "a bruxaria é proibida no Islã, além de ser uma armadilha para que pessoas possam abrir portas para demônios. Uma pessoa deve buscar refúgio do mal apenas com Alá. O feiticeiro pode causar mal e acabar não ajudando".

    Ele observou que o Ministério de Waqf luta ativamente contra a disseminação da feitiçaria. O trabalho educativo está sendo realizado e durante sermões nas mesquitas as pessoas são informadas sobre os perigos da magia, astrologia e ocultismo para os cidadãos e toda a sociedade. Há planos para trabalhar nas escolas, para que até mesmo as crianças possam entender que essas coisas são perigosas e prejudiciais.

    Mais:

    Igreja do século XVIII é destruída durante incêndio na Rússia (VÍDEO, FOTOS)
    Papa Francisco reprova pena de morte em todos os casos em novo entendimento da Igreja
    Carro atropela multidão em Dublin perto de igreja
    Tags:
    igreja, feitiçaria, magia, padre, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik