09:10 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Tanques turcos perto da fronteira com a Síria, Turquia (foto de arquivo)

    Ancara: presença militar turca em Idlib impede possível ataque à província

    © AFP 2018 / BULENT KILIC
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11324

    A presença de militares turcos na província síria de Idlib garante que nenhuma operação militar começará ali, segundo Ibrahim Kalin, porta-voz do presidente turco Recep Tayyip Erdogan.

    "A presença dos soldados turcos naquela região é, talvez, a única garantia de que aí não comece uma operação militar, já que a Força Aeroespacial russa e as forças do governo [do presidente sírio Bashar al-Assad] não vão efetuar qualquer ofensiva enquanto os militares turcos estiverem presentes", assegurou Kalin em um artigo publicado na revista Daily Sabah.

    De acordo com ele, "qualquer ataque a Idlib sob pretexto de eliminar grupos terroristas prejudicaria o processo de negociações da Astana" para a paz na Síria.

    "Idlib é uma mina de ação retardada, qualquer ataque a esta província síria não trará senão morte e destruições, o que provocaria uma nova onda de migração para a Turquia e para a Europa", assinalou o porta-voz do presidente turco.

    O governo sírio declarou em julho que se reserva o direito de usar a força militar para recuperar a província de Idlib se os grupos armados que a controlam desde 2015 rejeitarem os termos de paz de Damasco.

    No âmbito dos acordos com Damasco, combatentes que se recusaram a se render às forças do governo em Aleppo, Homs e Ghouta Oriental foram gradualmente se movendo para Idlib, que desde 2017 faz parte de uma zona de desescalada patrocinada pela Turquia.

    No final de agosto, o Ministério da Defesa russo informou que os terroristas da Frente al-Nusra (proibida na Rússia e em vários outros países) estariam preparando uma provocação na província de Idlib com armas químicas contra civis a fim de acusar Damasco e dar um pretexto para a coalizão liderada pelos EUA atacar a Síria.

    Desde 2011, a Síria tem sido palco de um grave conflito armado no qual as tropas do governo se confrontam com grupos armados de oposição e organizações terroristas.

    A resolução do conflito está sendo procurada em duas plataformas: em Genebra, sob os auspícios da ONU, e na capital de Cazaquistão, Astana, copatrocinada pela Rússia, Turquia e Irã.

    Mais:

    Analista conta como poderá ser operação em Idlib que vai por fim à guerra síria
    Embaixador da Rússia na ONU diz que cerca de 50 mil terroristas operam em Idlib
    Putin: terroristas estão preparando provocações na província síria de Idlib
    Tags:
    soldados turcos, ofensiva, Idlib, Rússia, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik