09:10 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Especialista mostra a jornalistas as roupas especiais utilizadas durante a neutralização de armas químicas

    Frente al-Nusra tem condições de produzir gás de cloro na Síria

    © AP Photo / Alfonso Perez
    Oriente Médio e África
    URL curta
    390

    Os terroristas da Frente al-Nusra têm os recursos e a capacidade de produzir gás de cloro para usar contra a população, disse o enviado especial da ONU para a Síria, Staffan de Mistura, em uma entrevista coletiva nesta terça-feira.

    "Eu tenho dito e confirmo minha opinião de que tanto o governo de um lado, quanto a Frente al-Nusra [do outro] — que é uma organização declarada terrorista pelo Conselho de Segurança — têm a capacidade de produzir cloro para uso armado", disse Staffan de Mistura aos repórteres.

    O enviado ressaltou que o cloro tem característica "horrível e única de estar na zona cinzenta entre o que é considerado um ataque químico ou não".

    O Ministério da Defesa da Rússia alertou recentemente que o líder do grupo terrorista Tahrir al-Sham, que é afiliado à Frente al-Nusra, está planejando um ataque químico contra civis na província síria de Idlib, com objetivo de provocar retaliações contra Damasco.

    Na semana passada, o porta-voz do ministério da Defesa da Rússia, Igor Konashenkov, disse que terroristas levaram oito latas de gás cloro para uma aldeia a sudoeste de Idlib. Segundo Konashenkov, um ataque químico criaria um pretexto para a intervenção ocidental no caso de uma operação em Idlib.

    O governo da Síria já acusou terroristas de usar armas químicas em outras ocasiões. Por outro lado, Damasco afirma ter eliminado todos os seus arsenais químicos em 2013 e que não recorre mais às armas químicas.

    Mais:

    Rússia: Capacetes Brancos entregam substâncias tóxicas para encenar ataque químico
    Defesa da Rússia revela quando acontecerá encenação de ataque químico na Síria
    MRE russo: EUA não destruíram arsenal químico e suas acusações contra Moscou são cínicas
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik