19:54 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente da Síria, Bashar Assad, faz um discurso durante uma entrevista com uma agência de notícias cubana

    Chanceler francês: Assad ganhou guerra na Síria

    © REUTERS / SANA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    26282

    Falando no ar da rádio France-Inter no domingo (2), o chanceler francês Jean-Yves Le Drian declarou que o líder sírio Bashar Assad ganhou a guerra civil, mas não "ganhará a paz" sem uma solução política atingida com ajuda de mediadores internacionais.

    "Assad ganhou a guerra, temos que admitir, mas ele não ganhou a paz", disse Le Drian, citado pelo The Times of Israel

    Segundo o ministro, o Ocidente retaliará se na iminente batalha na província de Idlib forem usadas armas químicas.

    O diplomata francês constatou também que mesmo que as forças governamentais sírias consigam retomar o controle de Idlib, o último bastião de terroristas, isso não resolverá os problemas que provocaram a guerra sete anos atrás.

    Le Drian acrescentou que a França aproveitará a Assembleia Geral da ONU, que ocorrerá neste mês, para promover uma solução pacífica na Síria e que está negociando com os países garantidores da paz na região — Rússia, Turquia e Irã — para que incentivem Assad a pôr em prática negociações políticas mesmo depois da guerra.

    Mais cedo no mesmo dia, o ministro das Relações Exteriores da Síria, Walid Muallem, afirmou que Damasco está determinado a libertar a província de Idlib dos terroristas.

    Em agosto, autoridades militares da Rússia avisaram notificaram que uma encenação com armas químicas estaria sendo organizada por terroristas e pelos Capacetes Brancos para causar uma nova onda de retaliação ocidental contra o governo sírio.

    Mais:

    Macron: França está pronta para atacar Síria se armas químicas forem usadas
    Partido Francês: É pouco provável que Macron busque parceria com Rússia e Turquia
    Tags:
    solução política, guerra civil, terroristas, paz, Walid Muallem, Jean-Yves Le Drian, Bashar Assad, Idlib, Turquia, Irã, Síria, França, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik