17:21 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados da artilharia do exército sírio na província de Idlib, no noroeste da Síria (foto de arquivo)

    Papa preocupado: governo sírio ignora ameaças dos EUA por planos para libertar Idlib

    © Sputnik / Ilya Pitalev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    19173

    As ameaças norte-americanas de realizar ataques contra a Síria em meio a reportagens sobre supostos planos de Damasco de usar armas químicas não mudarão os planos do governo de libertar a província de Idlib dos terroristas, disse o ministro sírio Walid Muallem à emissora russa Rossiya 24 neste domingo.

    "Tudo o que está sendo feito pelos Estados Unidos não afetará a determinação do povo sírio e do Exército sírio de libertar o Idlib e pôr fim ao terrorismo na Síria", disse Muallem.

    Ele ressaltou que as declarações dos EUA sobre supostos preparativos para um ataque químico pelo governo sírio foram usadas apenas para justificar possíveis ataques à Síria.

    "Nós, o povo e o governo da Síria, gostaríamos de acabar com o conflito, mas a interferência dos países ocidentais está atrapalhando isso", observou o ministro.

    Muallem acrescentou que, devido aos esforços russos, cerca de 20.000 refugiados retornaram para a Síria vindos do vizinho Líbano.

    Papa preocupado

    O papa Francisco expressou no domingo sua preocupação com os riscos de uma possível catástrofe humanitária na província síria de Idlib, em meio a relatos de uma potencial ofensiva do governo e instou a comunidade internacional e as partes em conflito a se engajarem em um diálogo em prol da vida civil.

    "Os ventos da guerra ainda estão soprando e as inquietantes notícias sobre o risco de uma possível catástrofe humanitária na província de Idlib estão chegando. Peço mais uma vez toda a comunidade internacional e todas as partes envolvidas a fazer uso dos instrumentos da diplomacia, diálogo e negociações, em conformidade com o direito internacional humanitário e para salvaguardar a vida dos civis", afirmou o pontífice.

    A situação em Idlib aumentou ao longo da semana passada em meio aos recentes relatos de uma potencial ofensiva do governo depois que a Rússia afirmou ter evidências de que terroristas em Idlib estavam preparando um ataque com armas químicas falsas para moldar as forças do governo e incitar uma intervenção militar liderada pelos EUA.

    A província de Idlib é uma das zonas de escalada da Síria e um reduto remanescente da insurgência terrorista no país. Sob o acordo de cessar-fogo, intermediado entre tropas do governo sírio e oposição armada, atividades militares são proibidas na área, mas os fiadores do cessar-fogo, que incluem Rússia, Turquia e Irã, registram repetidamente violações de trégua.

    Mais:

    O que a desconhecida Síria tem a oferecer aos visitantes (FOTOS)
    Defesa antiaérea síria repele ataques de mísseis nos subúrbios de Damasco
    Síria rebate secretário-geral da ONU por apontar possível 'desastre humanitário' em Idlib
    Tags:
    diplomacia, ameaça, ataque, terrorismo, Papa Francisco, Walid Muallem, Rússia, Estados Unidos, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik