02:21 29 Maio 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14311
    Nos siga no

    O Exército da Síria eliminou dois terroristas e tomou mais dois como prisioneiros em resultado de um confronto com militantes ao sudeste da cidade de Palmira, informa o Centro Russo de Reconciliação na Síria.

    Segundo informou o centro, os militantes tentavam penetrar na cidade. Os terroristas pertencem ao grupo chamado Leões Orientais, que conta com 500 participantes.

    O grupo deveria ter realizado uma série de ataques terroristas na região de Palmira e capturar a cidade em uma semana, relatou o Ministério da Defesa russo.

    "Hoje […] a 36 quilômetros ao sudeste de Palmira ocorreu um confronto armado entre as forças governamentais sírias e um grupo terrorista de sabotagem que tentou penetrar em Palmira desde Al-Tanf", diz o comunicado do centro.

    Também de acordo com a entidade militar russa, os terroristas detidos disseram que "seu acampamento está localizado perto do povoado de Al-Tanf, onde se encontra uma base americana".

    "Um dos terroristas detidos contou que seu grupo foi preparado para o ataque inclusive por instrutores norte-americanos da base estadunidense, e que da base também eram fornecidas armas e munições", acrescentou o centro.

    Segundo o comunicado, os depoimentos dos terroristas confirmam que na zona de 55 quilômetros ao redor de Al-Tanf, controlada pelos EUA, há campos de treinamento de militantes, preparados inclusive por especialistas estadunidenses.

    No centro russo sublinharam que desde a criação da base de Al-Tanf não há informações sobre nenhuma operação dos EUA contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia) nesta região.

    Mais:

    Lavrov sobre situação em Idlib: Síria tem direito de tirar terroristas de seu território
    Submarino nuclear se junta a grupo naval americano no Mediterrâneo
    Tags:
    grupo terrorista, ataque terrorista, militantes, Exército da Síria, Daesh, Al-Tanf, Palmira, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar