09:33 26 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Um advogado palestino atira pedras em direção às tropas israelenses durante confrontos perto do povoado de Beit El, a pouca distância da cidade de Ramallah, na Cisjordânia, em 13 de dezembro de 2017

    Forças israelenses usam gás, balas de borracha e bombas de som contra palestinos

    © AP Photo / Nasser Shiyoukhi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    514

    Soldados israelenses dispararam balas de borracha e utilizaram bombas de som e gás lacrimogêneo para dispersar manifestantes palestinos em uma vila da Cisjordânia, segundo informou a mídia local nesta sexta-feira.

    De acordo com a agência de notícias Wafa, dezenas de pessoas que protestavam contra os planos de Israel de expandir suas áreas de assentamentos na região acabaram feridos após a ação das forças de segurança em Ras Karkar, situada a pouco mais de 10 quilômetros de Ramallah. 

    Apesar dos enfrentamentos, o ministro palestino Walid Assaf, que cuida de assuntos relacionados aos assentamentos israelenses e, ontem, foi vítima de uma bala de borracha disparada por militares das Forças de Defesa de Israel, disse à Wafa que a luta palestina continuará até que "os planos das forças de ocupação de tomar territórios e expulsar cidadãos sejam interrompidos". 

    As atividades de construção de habitações de Israel nos territórios ocupados da Cisjordânia e Jerusalém Oriental são um dos principais obstáculos à resolução do conflito com a Palestina. Hoje, estima-se que haja cerca de 600.000 israelenses vivendo nessas unidades habitacionais judaicas nas áreas disputadas.

    Mais:

    Mahmoud Abbas se diz contrário ao retorno de palestinos para terras ocupadas por Israel
    Protesto na Faixa de Gaza tem 2 palestinos mortos e 241 feridos
    Tropas de Israel matam 2 palestinos e deixam 242 feridos durante protesto em Gaza
    Tags:
    protesto, confronto, manifestação, Walid Assaf, Jerusalém Oriental, Cisjordânia, Ras Karkar, Ramallah, Israel, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik