12:57 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Crime cibernético de hackers

    Hackers vendem dados privados de recrutas do Exército de Israel há anos

    CC0 / Pixabay
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 20

    Depois de sete anos, recrutas das Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) começaram a receber ligações de telemarketing massivamente. O judiciário de Israel conseguiu localizar uma gangue que hackeou o banco de dados de alistamentos e vendeu informações privadas roubadas para terceiros.

    A Autoridade de Valores de Israel (ISA, na sigla em inglês) descobriu uma organização criminosa, liderada por dois civis com ajuda de soldados das IDF, que conseguiu ter acesso ao sistema de informações da unidade Meitav, relataram repórteres locais.

    As informações roubadas incluíam dados sobre pessoas nascidas entre 1988 e 1993, que na época estavam se preparando para o serviço militar. A investigação, realizada a pedido do Ministério da Justiça, revelou que os dados invadidos incluíam detalhes de contato, o número de crianças na família e o papel designado do indivíduo dentro das Forças Armadas.

    De acordo com os resultados, a gangue conseguiu a ajuda de dois membros internos para acessar os arquivos de milhares de soldados das IDF, que entraram entre 2011 e 2014, sendo posteriormente vendidos a terceiros. Muitas das informações continham recrutas com menos de 18 anos na época.

    A invasão passou despercebida durante anos, até que reclamações de ex-militares sobre telefonemas de telemarketing irritantes começaram a se acumular em 2011. Os denunciantes frustrados notaram que os contrabandistas fingiam trabalhar em centros de apoio a soldados dispensados, oferecendo uma gama de serviços e produtos com desconto.

    Depois de compilar provas de material apreendido e interrogar os suspeitos, os resultados da investigação foram transferidos para o departamento cibernético da Procuradoria do Estado.

    A ISA acusa os suspeitos de violação de privacidade, conspiração e suborno. Seus nomes não foram revelados ao público e também não está claro se os suspeitos foram detidos.

    "Infelizmente, reconhecemos que em organizações onde se supõe uma maior conscientização sobre a importância de proteger informações confidenciais, não há conformidade suficiente com a lei no campo da proteção de informações pessoais", disse Alon Bachar, segundo a mídia local.

    "Quando informações pessoais são coletadas de pessoas como parte de seu serviço militar, e não voluntariamente, o exército tem o dever público de proteger essa privacidade", acrescentou.

    Mais:

    Fica a dica: 4 maneiras de proteger sua conta de WhatsApp de hackers
    Hackers chineses invadem sistema e roubam projetos militares da Marinha dos EUA
    Hackers removem do YouTube clipe 'Despacito' (FOTO)
    Hackers roubam dados de cartões de crédito de 5 milhões de pessoas nos EUA
    Tags:
    suborno, soldados, informações confidenciais, roubo, israelense, recrutamento, hackers, crime cibernético, IDF, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik